Página Principal Presidente Presidente Honorário Partido Media Center Contactos Siga-nos!
 

Notícias PS/Açores

Presidente do Governo recebeu Ministro do Mar


Centro Interpretativo da Agricultura dá a conhecer setor que afirma a Região no exterior, afirma Vasco Cordeiro


Presidente do Governo anuncia disponibilização de 75 habitações na Ribeira Grande e Vila Franca do Campo


Retoma da atividade do Serviço Regional de Saúde está no “bom caminho”, afirma Presidente do Governo


Artigos de Opinião

José San-Bento José San-Bento
"Vitória Histórica"
2020-08-03
Hernâni Bettencourt Hernâni Bettencourt
"Mar dos Açores"
2020-08-01
José Contente José Contente
"Mare Nostrum"
2020-07-29
Carlos Silva Carlos Silva
"SATA: sinais encorajadores "
2020-07-29
Sónia Nicolau Sónia Nicolau
"Autonomia que faça costume"
2020-07-29
José San-Bento José San-Bento
"Autonomia por Procuração"
2020-07-28
Mariana Matos Mariana Matos
"Contradições?"
2020-07-26
ESTÁ AQUI:Media Center»Opinião
Francisco Coelho

Opinião

"Gorbachev"

Francisco Coelho
2020-07-25

 

O Documentário de Werner Herzog e André Singer, “Encontrando Gorbachev” – merece ser visto
Poucas personagens da História do Séc. XX atingem o “pathos” trágico de Gorbachev. Primeiro líder soviético a nascer após a revolução de outubro de 1917, ele ficará na História, muito provavelmente, como o coveiro de um Império, que através das suas reformas revelou fraqueza, e tentou “amarelar” a pureza da revolução. Nada mais falso, segundo o próprio…
A verdade é que a União Soviética era, no início da década de 80 do século passado, um império ultrapassado e falido: sustentar os satélites (europa de Leste, Cuba, Vietname, alguns países africanos) revelava-se uma empresa ruinosa; em termos económicos, científicos e mesmo militares, a URSS estava a ser claramente ultrapassada a doutrina Brejnev, de ingerência violenta nos “desvios” dos seus satélites, como Budapeste e Praga, afastou qualquer ilusão de outro tipo de socialismo que não o do domínio imperial.
Gorbachev enfatiza no documentário: “eu queria mais socialismo”, acompanhado de recuperação económica, mais liberdades e recusa da violência como método, quer interno, quer externo. Ao dizer, “não haverá uma repetição de 1956” (esmagamento da revolta de Budapeste), foi entendido como licença para a dissidência dos países que compunham a União e pertenciam ao Pacto de Varsóvia… até à queda do Muro de Berlim. E é claro que Ieltsin só cresceu devido à tolerância pacífica do mesmo Gorbachev.
E é claro que o “sucesso” de Putin parece ressuscitar, com trágica ironia, uma constante da História da grande Rússia. A doce vingança de Gorbachev constará do seu epitáfio: “Tentámos” …
E nós tentámos, ao contrário do habitual, chegar com estas crónicas até fins de julho, uma atipicidade num ano atípico. Voltaremos em setembro. Até lá… e as melhores férias possíveis!

 

Mais Artigos

Mariana Matos Apenas e só cumprir os Açores



Berto Messias Negações convenientes



Hélder Silva Hoje assim, amanhã já não



Piedade Lalanda O estado pouco social



Francisco César Este país não é para rapazes



<< <

Arquivo Histórico do PS/Açores
PSA TV - Canal YouTube Ps/Açores

 
HomeNotícias | Media Center | Agenda | OpiniãoPartido | Presidente | Grupo Parlamentar ALRAA | Deputados AR | Deputados PE | Documentos | Links | Contactos
 
Sede Regional - Bairro da Vitória - Rua Dr. Armando Narciso, nº 5 – S. José - 9500-185 Ponta Delgada
Partido Socialista Açores © Todos os Direitos Reservados