Página Principal Presidente Presidente Honorário Partido Media Center Contactos Siga-nos!
 

Notícias PS/Açores

Governo dos Açores prepara alterações ao Regime Jurídico da Proteção Civil


Reconstrução do Lorenzo em plena “velocidade de cruzeiro” por toda a Região, afirma Vasco Cordeiro


Serviço Regional de Saúde com reforço de 95 milhões de euros, anuncia Vasco Cordeiro


Observatório do Atlântico com dois milhões de euros


Artigos de Opinião

José San-Bento José San-Bento
"Presidente de Menos"
2020-07-06
Francisco Coelho Francisco Coelho
"Confiar"
2020-07-04
Lara Martinho Lara Martinho
"Orçamento do Estado Suplementar"
2020-07-04
Hernâni Bettencourt Hernâni Bettencourt
"Azores Parque: um inquérito que se impunha! "
2020-07-04
Sónia Nicolau Sónia Nicolau
"Nossa rica Ponta Delgada"
2020-07-04
José Contente José Contente
"O binómio saúde-economia terá de constituir a nossa nova moeda única europeia"
2020-07-03
Vítor Fraga Vítor Fraga
"Em defesa de Ponta Delgada"
2020-07-03
ESTÁ AQUI:Media Center»Opinião
Hernâni Bettencourt

Opinião

"Loucos de Lisboa"

Hernâni Bettencourt
2020-06-27

 

O título, refiro, desde já, não é uma referência direta aos habitantes de Lisboa. E, muito menos, uma ofensa à minha querida Lisboa. O título é, somente, uma apropriação de uma conhecida música dos Ala dos Namorados e que me ocorreu a propósito do foco da COVID-19 que que se instalou na Área Metropolitana de Lisboa. Foco esse que, à razão média diária de 300 novos casos, está a deixar no ar algum nervosismo, contradições e muitas perguntas sem resposta. A Terra, como se diz na letra que dá título a este texto, parece estar a girar ao contrário. Os rios parecem estar a nascer no mar. Esta espécie de mundo ao contrário está a ter efeitos, também, nos responsáveis políticos e especialistas em epidemiologia e demais áreas técnicas que integram o grupo de experts que, regularmente, reúnem no INFARMED. A última reunião, segundo a VISÃO, prova que os nervos andam à flor da pele. Foi noticiado, e não desmentido, uma alegada “sucessão de irritações” entre António Costa e Marta Temido. Na génese disto, terá estado “a falta de clareza dos dados e o boom de casos em Lisboa e Vale do Tejo”. A questão central parece estar na dificuldade em explicar a origem do foco, sendo que há especialistas que apontavam para o reforço da testagem aliado aos comportamentos de risco da população mais jovem; e outros especialistas que apontam para o facto do contágio estar a ser significativo e não resultado de um maior numero de testes, uma vez que a cada 28 testes realizados 1 é positivo. O Primeiro-Ministro, confrontado com esta ausência de explicação concreta e tendo consciência que o tempo é de ação e não de discussão, decidiu avançar para diferentes níveis de combate à pandemia. Assim, teremos a maior parte do país (Portugal continental) a passar do estado de calamidade para o estado de alerta já a partir do dia 1 de julho; a Área Metropolitana de Lisboa (AML) a passar para a situação de contingência (nível intermédio); e 19 freguesias da AML a manterem o estado de calamidade. Os habitantes destas 19 freguesias, onde se têm vindo a concentrar a esmagadora maioria de novos casos, vão voltar a ter o dever cívico de recolhimento. Ou seja, só devem sair de casa para trabalhar e fazer compras. E os ajuntamentos nestas freguesias dos concelhos de Amadora, Odivelas, Loures, Sinta e Lisboa ficam limitados a cinco pessoas. Simultaneamente, foi aprovado um regime de contraordenações, para quem violar as regras definidas, que vão de 100 a 500 euros para pessoas singulares e de 1000 a 5000 euros para entidades coletivas. Temos, portanto, um recuo na estrada do desconfinamento. Um recuo, para já circunscrito à área geográfica das 19 freguesias dos concelhos acima referenciados, mas um alerta de âmbito geral. De Trás-os-Montes ao Algarve, passando pelos Açores e Madeira. Esta estrada de acesso à “nova normalidade” é extremamente sinuosa. E sabemos que Portugal e estradas, muitas vezes, não combinam com respeito, racionalidade e sensatez… Mas cabe a cada um de nós tudo fazer para evitar conduzir o vírus para outras paragens! E, já agora, voltando à música, não querer ser o “artista principal” do “filme lá do hospital”.

 

Mais Artigos

João Aguiar Recuperar Ponta Delgada



Francisco César Um País de Incertezas



Piedade Lalanda Sou republicana



Cláudia Cardoso Amnésia



Berto Messias Unidos em nome da Autonomia



João Aguiar Olá bom dia. Olá boa noite.



José San-Bento Embaraço Constitucional



Mariana Matos Apenas e só cumprir os Açores



<< <

Arquivo Histórico do PS/Açores
PSA TV - Canal YouTube Ps/Açores

 
HomeNotícias | Media Center | Agenda | OpiniãoPartido | Presidente | Grupo Parlamentar ALRAA | Deputados AR | Deputados PE | Documentos | Links | Contactos
 
Sede Regional - Bairro da Vitória - Rua Dr. Armando Narciso, nº 5 – S. José - 9500-185 Ponta Delgada
Partido Socialista Açores © Todos os Direitos Reservados