Página Principal Presidente Presidente Honorário Partido Media Center Contactos Siga-nos!
 

Notícias PS/Açores

Governo dos Açores prepara alterações ao Regime Jurídico da Proteção Civil


Reconstrução do Lorenzo em plena “velocidade de cruzeiro” por toda a Região, afirma Vasco Cordeiro


Obra de 1,2 milhões de euros garante melhores condições de segurança e de trabalho no porto de pescas da Madalena, afirma Vasco Cordeiro


Comissão deve estar preparada para ter Quadro Financeiro Plurianual operacional no início de 2021, defende Vasco Cordeiro


Artigos de Opinião

Francisco Coelho Francisco Coelho
"Confiar"
2020-07-04
Lara Martinho Lara Martinho
"Orçamento do Estado Suplementar"
2020-07-04
Hernâni Bettencourt Hernâni Bettencourt
"Azores Parque: um inquérito que se impunha! "
2020-07-04
Sónia Nicolau Sónia Nicolau
"Nossa rica Ponta Delgada"
2020-07-04
José Contente José Contente
"O binómio saúde-economia terá de constituir a nossa nova moeda única europeia"
2020-07-03
Vítor Fraga Vítor Fraga
"Em defesa de Ponta Delgada"
2020-07-03
José Ávila José Ávila
"A nova normalidade"
2020-07-01
ESTÁ AQUI:Media Center»Opinião
Hernâni Bettencourt

Opinião

"Os tabuleiros de Bolieiro"

Hernâni Bettencourt
2019-07-29

 

No xadrez é habitual vermos, nos chamados torneios de exibição, os mestres mais conceituados a jogarem frente a múltiplos adversários. Todos já devem ter presenciado o corrupio do mestre entre tabuleiros. Rapidez de pensamento; agilidade nos movimentos das peças e a vitória como objetivo sempre em mente. Ora, lembrámo-nos destas imagens ao assistir às recentes movimentações políticas de Bolieiro. Vamos, então, tabuleiro a tabuleiro, tentar decifrar as erráticas jogadas de “mestre” Bolieiro:

Tabuleiro 1 – Minha querida Lisboa!
Bolieiro, confiante no seu prestígio pessoal e institucional, decide que nem precisaria de ir a jogo com peças superiores aos peões. Ora, no xadrez, tal como em tudo o resto, nunca se deve subestimar o adversário. E muito menos julgar que nem adversário se tem. Aqui o “mestre” começa a ser visto como um “pobre mestre”, tendo em conta que se esqueceu de uma regra básica do jogo: o peão não pode mover-se para trás. Restava, então, fazer de conta que os peões se tinham movimentado sozinhos. E, assim, mestre Bolieiro voltava rápido a ser aquilo que adora: o rei da dissimulação.

Tabuleiro 2 – Meu querido Rio!
Bolieiro é anunciado vice-presidente do PSD nacional, substituindo no cargo Castro Almeida que havia renunciado por motivos de divergências políticas com Rio. Tínhamos, assim, de surpresa, Bolieiro a fazer a ponte sobre um Rio que está em acelerada seca. A surpreendente jogada era, à primeira vista, um claro xeque a um fragilizado rei. Acontece que esta jogada seria uma clara tomada de posição se o jogo se desenrolasse apenas num tabuleiro, o que não era o caso. Tivemos assim uma jogada com o cavalo, o qual move-se “uma casa como torre e uma casa como bispo”. Estava assim aberta a discussão enquanto o “mestre” já ia a caminho do próximo tabuleiro.

Tabuleiro 3 – Meu querido Gaudêncio!
Uns dias depois… Aí estava Bolieiro a ser anunciado, por Gaudêncio, como mandatário regional do PSD/Açores nas eleições à Assembleia da República. Tínhamos assim uma movimentação do bispo em proteção do fragilizado rei. Bolieiro tinha plena consciência que, para manter a aura de D. Sebastião, não podia desligar totalmente de Gaudêncio. As vestes de mandatário dão para uma coisa e o seu contrário. Está em jogo, mas não vai a jogo. O disfarce é uma das jogadas de eleição do “mestre” Bolieiro!

Tabuleiro 4 – E minha querida Ponta Delgada, para quando?
Chegámos, para não sermos demasiado maçadores, ao último tabuleiro. Diz-se que os últimos são os primeiros. Infelizmente, neste ficcionado torneio de xadrez, assim não é. Ponta Delgada, a apregoada jóia da coroa do PSD/Açores, está há muito tempo sem mestre. Bolieiro chegará ao próximo ato eleitoral, a qual não quererá concorrer, mas em que acabará por ser candidato, como “o amigo”, o tipo porreiro que não diz não a ninguém, que promete trabalhar e não se compromete com nada em concreto, que decide apenas quando não pode adiar… Ponta Delgada merece um verdadeiro mestre. Um mestre a tempo inteiro... e sem pensar noutros tabuleiros!

 

Mais Artigos

Berto Messias Gerar e promover emprego jovem



Francisco César Umas contas arrumadas



Piedade Lalanda Branquear



Francisco César O dilema do bom aluno…



José San-Bento A Resposta Tardia



João Aguiar Aonde pára a Piscina?



Mariana Matos À luz das contas



Berto Messias Contrastes



<< <

Arquivo Histórico do PS/Açores
PSA TV - Canal YouTube Ps/Açores

 
HomeNotícias | Media Center | Agenda | OpiniãoPartido | Presidente | Grupo Parlamentar ALRAA | Deputados AR | Deputados PE | Documentos | Links | Contactos
 
Sede Regional - Bairro da Vitória - Rua Dr. Armando Narciso, nº 5 – S. José - 9500-185 Ponta Delgada
Partido Socialista Açores © Todos os Direitos Reservados