Página Principal Presidente Presidente Honorário Partido Media Center Contactos Siga-nos!
 

Notícias PS/Açores

Reconstrução do Lorenzo em plena “velocidade de cruzeiro” por toda a Região, afirma Vasco Cordeiro


Obra de 1,2 milhões de euros garante melhores condições de segurança e de trabalho no porto de pescas da Madalena, afirma Vasco Cordeiro


Comissão deve estar preparada para ter Quadro Financeiro Plurianual operacional no início de 2021, defende Vasco Cordeiro


Serviço Regional de Saúde com reforço de 95 milhões de euros, anuncia Vasco Cordeiro


Artigos de Opinião

Vítor Fraga Vítor Fraga
"Em defesa de Ponta Delgada"
2020-07-03
José Ávila José Ávila
"A nova normalidade"
2020-07-01
José Contente José Contente
"Decisões"
2020-07-01
José San-Bento José San-Bento
"PANdemónio"
2020-06-29
Mariana Matos Mariana Matos
"Viver os Açores!"
2020-06-28
Vílson Ponte Gomes Vílson Ponte Gomes
"Pela terceira vez"
2020-06-28
Mónica Rocha Mónica Rocha
"A imprescindível defesa e valorização da Agricultura Familiar"
2020-06-28
ESTÁ AQUI:Media Center»Opinião
João Vasco Costa

Opinião

"Congresso(s)"

João Vasco Costa
2020-02-12

 

Lá e cá os maiores partidos da oposição (PSD e PSD/A) assemelharam-se nos discursos finais. Um conjunto vazio de proclamações sem nenhuma proposta digna de registo. Cá foi um somatório das declarações políticas e lamúrias habituais com as contradições à mistura. Para quem propala a quatro ventos o mau estado das finanças da Região, promete, em simultâneo, baixa de tarifas aéreas interilhas e baixa dos impostos do IVA e do IRC. Depois foi “copiar”, como é usual, a frase da congressista ausente Berta Cabral, “um euro na mão dos açorianos é mais útil do que no bolso dos governos”. Elogio em boca própria é vitupério, como parece ser repetir até à exaustão as próprias virtudes da humildade, do diálogo, mesmo com a manha da fala mansa. O resto foi falar para 10 anos, fugindo a compromissos de legislatura como já o tinha feito na autarquia de Ponta Delgada, onde ganhou mas, quem perdeu durante sete anos foi Ponta Delgada com a sua inoperância. Um mau presidente de Câmara dificilmente seria um bom presidente de Governo. No Congresso nacional, depois de confundir, delirantemente, a matriz ideológica do Partido Socialista com o comunismo, para tentar ocupar “o centro perdido”, Rui Rio priorizou as eleições autárquicas. Autonomia foi assunto menor. Deixou de ter um Vice-Presidente açoriano. Rio e Bolieiro pensam que assim se afastam do caso da exclusão de Mota Amaral da lista do partido ao Parlamento Europeu, ou das célebres e tristes afirmações de que “os Açores não valem mais do que 12 mil votos” e “Não é uma fortuna”... Antes do galo cantar 3 vezes já voltarão a exultar as virtualidades da Autonomia. Porém, só quem não acredita na vitória das regionais não integra ninguém nos órgãos nacionais do PSD (só um eleito do PSD/Açores), dispensa o VP açoriano, pois assim pensa distanciar-se da 1ª derrota neste ano e focar-se nas autárquicas que elegeu como prioridade. Assim, ampliando o que os governos socialistas já estão a fazer, ou sem propostas concretas, os Congressos do PSD foram elucidativos e cheios de contradições insanáveis, isto é, uma mão cheia de nada.

 

Mais Artigos

Mariana Matos À segunda cai quem quer



Alexandre Pascoal Postura eucalíptica



Cláudia Cardoso Sem nobreza



José Ávila Nobre desilusão



Francisco César Parar de olhar para o “umbigo”



Rogério Veiros Sócrates, FMI e Passos Coelho…



Berto Messias É preciso esclarecer os agricultores



José Ávila Olho aberto



<< <

Arquivo Histórico do PS/Açores
PSA TV - Canal YouTube Ps/Açores

 
HomeNotícias | Media Center | Agenda | OpiniãoPartido | Presidente | Grupo Parlamentar ALRAA | Deputados AR | Deputados PE | Documentos | Links | Contactos
 
Sede Regional - Bairro da Vitória - Rua Dr. Armando Narciso, nº 5 – S. José - 9500-185 Ponta Delgada
Partido Socialista Açores © Todos os Direitos Reservados