Página Principal Presidente Presidente Honorário Partido Media Center Contactos Siga-nos!
 

Notícias PS/Açores

Vasco Cordeiro anuncia lançamento do concurso público para intervenção na estrada Furnas-Povoação


Vasco Cordeiro eleito por aclamação Primeiro Vice-Presidente do Comité das Regiões


PS/Açores garante simplificação e reforço dos apoios às filarmónicas


Classificação da Igreja do Carmo como imóvel de interesse público é importante contributo para a salvaguarda daquele património


Artigos de Opinião

Francisco Coelho Francisco Coelho
"Precários"
2020-02-15
Hernâni Bettencourt Hernâni Bettencourt
"Até sempre, Senhora Deputada Zuraida Soares!"
2020-02-15
Lara Martinho Lara Martinho
"VIAGEM DE ESTADO À ÍNDIA"
2020-02-15
José Miguel Toste José Miguel Toste
"Um congresso side-by-side"
2020-02-14
João Vasco Costa João Vasco Costa
"Congresso(s)"
2020-02-12
Sónia Nicolau Sónia Nicolau
"Decisões e vitórias"
2020-02-12
José Contente José Contente
"In memoriam"
2020-02-12
ESTÁ AQUI:Media Center»Opinião
Berto Messias

Opinião

"Negações convenientes"

Berto Messias
2010-09-25

 

Já o dissemos e reiteramos que os processos eleitorais internos da JSD Açores dizem respeito aos seus dirigentes, aos seus militantes e ao PSD. Sobre isso nada temos de dizer.

Mas quando, nesse âmbito, assistimos a um momento de negação conveniente da Presidente do PSD Açores, líder do maior partido da oposição regional e, por isso, com responsabilidades acrescidas, temos a obrigação de denunciar uma postura lamentável que em nada abona à democracia e à juventude açoriana.

Isto a propósito da afirmação peremptória da Sra. Presidente, e cito, “a JSD não tem rigorosamente nada a ver com o PSD”.

Desculpe, importa-se de repetir???

É ofensivo para a juventude açoriana que a líder do PSD/Açores, como que um Pilatos dos tempos modernos, a braços com um problema interno, “lave as suas mãos”, renegue a JSD, alegando que não faz parte do PSD/Açores e se desconsidera os jovens do seu partido desta forma, desconsiderará, com certeza, os jovens de toda a Região.

Mas pior do que isso, e este é um facto assinalável que realçamos, é nos momentos conturbados e mais difíceis que vem ao de cima as fragilidades, as incoerências e até as disfunções de carácter dos protagonistas desses momentos e é lamentável esta negação a uma organização partidária de juventude que já muito contribuiu para a história do PSD Açores.

As políticas para a juventude cumprem-se no terreno. Desenvolvem-se com os jovens. As políticas de juventude não se concretizam com fugas para a frente e a política não pode ser feita por aqueles que na adversidade fogem e não assumem as suas responsabilidades.

É um facto inegável que os Açores têm hoje uma boa política de juventude, em alguns casos pioneira a nível nacional, que muito nos orgulha.

Sabemos que muito foi feito, que temos construído um caminho consistente muito positivo para a juventude açoriana, mas temos a humildade de reconhecer que muito mais há para fazer, porque as políticas de juventude não podem ser estanques ou inflexíveis e têm de se adaptar à normal evolução dos tempos.

Temos de continuar a apoiar os jovens e casais jovens actuando nas diversas áreas que dizem respeito a esta faixa etária.

Continuar a apostar nos jovens empresários, continuar a apoiar as associações juvenis da Região, continuar a combater os abusos laborais que possam sofrer, a contribuir através de políticas públicas para que o mercado laboral da Região absorva aqueles jovens que estão hoje no exterior a qualificar-se e querem regressar e aqui contribuir para o bem comum, dar espaço a políticas de reconversão profissional de jovens qualificados para áreas de maior empregabilidade ou necessidade para a Região ou aprofundar e melhorar as análises prospectivas ao mercado de trabalho e às necessidades do tecido empresarial canalizando os apoios públicos para futuros activos em áreas importantes para o futuro dos Açores.

É nossa obrigação continuar a apostar nos jovens e, estou certo, que assim será porque mais juventude será sempre sinónimo de mais desenvolvimento e gostávamos que todos contribuíssem para isso, até mesmo a JSD e o PSD, mas temos pena que no meio de tantos episódios não surjam propostas concretas e exequíveis que ajudem os jovens.

Com mais este episódio de negação, Berta Cabral assumiu o papel do apóstolo Pedro, reconstituindo o episódio bíblico da negação que poderia ser narrado assim:

“Em verdade, neste mesmo mandato, três vezes negarás o PSD”: À primeira negação deixou sozinhos os companheiros derrotados nas eleições autárquicas na noite em que mais precisavam de uma líder;

A segunda, mais recente, foi quando renegou à Juventude Social-Democrata, que tanto já contribuiu para o passado do PSD;

E a terceira, estou em crer, será ao próprio PSD/Açores quando culpar toda a gente, quando culpar tudo e todos, menos ela, pela derrota nas próximas eleições regionais.

 

Mais Artigos

Mariana Matos "Pessoas Sensíveis"



Francisco César A crítica fácil corrói lucidez



Cláudia Cardoso Cheio como um ovo



Berto Messias Preocupações



João Aguiar Fatos à medida



Mariana Matos Verdes às pontinhas



Francisco César Tempestade Perfeita



José San-Bento Krugman e a Crise



<< <

Arquivo Histórico do PS/Açores
PSA TV - Canal YouTube Ps/Açores

 
HomeNotícias | Media Center | Agenda | OpiniãoPartido | Presidente | Grupo Parlamentar ALRAA | Deputados AR | Deputados PE | Documentos | Links | Contactos
 
Sede Regional - Bairro da Vitória - Rua Dr. Armando Narciso, nº 5 – S. José - 9500-185 Ponta Delgada
Partido Socialista Açores © Todos os Direitos Reservados