Página Principal Presidente Presidente Honorário Partido Media Center Contactos Siga-nos!
 

Notícias PS/Açores

Vasco Cordeiro anuncia projeto para fazer da Graciosa “ilha modelo” da mobilidade elétrica


Vasco Cordeiro enaltece esforço de 12.500 Açorianos que apostaram no reforço das suas qualificações


Resultados concretos comprovam “profunda mudança estrutural” registada no setor vitivinícola, destaca Vasco Cordeiro


Novo terminal de passageiros consta do Plano de Reordenamento do Porto da Praia da Graciosa – Vasco Cordeiro


Artigos de Opinião

Francisco Coelho Francisco Coelho
"Ódio antigo"
2020-02-22
Hernâni Bettencourt Hernâni Bettencourt
"Uma saída à Bolieiro…"
2020-02-22
João Vasco Costa João Vasco Costa
"O exemplo?"
2020-02-21
Emanuel Furtado Emanuel Furtado
"O combate à pobreza e à exclusão social"
2020-02-20
Sónia Nicolau Sónia Nicolau
"(EU)tanásia"
2020-02-19
Mónica Rocha Mónica Rocha
"Filarmónicas açorianas honram o passado e melhoram o futuro"
2020-02-18
João Paulo Ávila João Paulo Ávila
"Filarmónicas dos Açores"
2020-02-14
ESTÁ AQUI:Media Center»Opinião
Sónia Nicolau

Opinião

"Um dia destes queremos votar e dizem-nos que não"

Sónia Nicolau
2019-10-02

 

Um dia destes queremos votar e dizem-nos que não, que já não é preciso, como que desresponsabilizando o cidadão do seu maior dever cívico e naquela que é uma das mais importantes formas de relação entre o cidadão e a Democracia.

Numa das dezenas de campanhas de rua que o PS/Açores fez por todas as ilhas, foi na Ribeira Grande que ouvi uma cidadã afirmar que, na junta de freguesia da Matriz, foi-lhe dito que nestas eleições não precisaria votar. É petrificante. Sendo verdade ou não, o que esta manifestação regista é, desde logo, o desconhecimento do poder que esta cidadã no concelho mais jovem do país e com a maior abstenção, tal como noticiou o Público a 27 de setembro, possui.

A abstenção resulta, também, porque nestes 45 anos de democracia nem sempre os políticos estiveram bem. Errou-se muito e tanto erro não se apaga em cada campanha eleitoral, mas é igualmente nas campanhas eleitorais, com honra em ser político e vergonha pelos politiqueiros, tempo de mostrar que muitos lutam por uma visão política diferente e que se afirmam, com erros é certo, mas sem os erros que mimem a confiança entre eleito-eleitor.

A dias de votarmos, quero partilhar com os leitores duas notas que retiro desta campanha eleitoral nos Açores: uma de satisfação política e outra de satisfação estratégica.

A de satisfação política é a de que o PS é o único partido que todos os dias esteve no terreno, ouviu as pessoas e estimulou ao voto. Milhares de quilómetros e a todos os concelhos dos Açores. Um partido que governa os Açores há 23 anos, mas não se resigna aos “corredores do poder” e não minimiza a importância do contacto de rua, da pedagogia e da valorização do poder do cidadão. Estar em contacto de rua é um ato de humildade e respeito democrático, onde os cidadãos reconhecem a colossal diferença entre o atual Governo da República do PS, que repôs rendimentos e estimulou a economia e o Governo do PSD/CDS-PP que quis ir além da Troika e mandou portugueses emigrar. É certo, sem isenção de críticas ao Governo, mas bem conscientes da diferença. A distinção entre o discurso do cidadão que se encontra na rua e os comentadores amnésicos é, igualmente, colossal.

A de satisfação estratégica é a de que, contrariamente à campanha de 2016, nas centenas de crianças que encontrei, apenas duas, em idade pré-escolar, não frequentavam a creche (uma por opção e outra por aguardar vaga). Este é um claro e inequívoco sinal da mudança cultural face às políticas públicas de apoio à infância e família, por opção política de Vasco Cordeiro que não se cansa de incutir a maior e mais difícil revolução: a da disrupção cultural, que só pode ser fomentada pela educação e pela dignidade da pessoa humana.

Antes que nos digam que não precisamos votar e para não contribuir para os 58,78% de abstencionistas em 2015, vamos votar no próximo domingo, dia 6 de outubro. Vamos dignificar o nosso dever cívico e valorizar o poder dos Açorianos (dando cartão vermelho a quem desvaloriza “12000” votantes e diz que não somos fortuna) na escolha dos seus cinco deputados.











 

Mais Artigos

Lúcio Rodrigues Horta, Cidade Mar



Rogério Veiros Em São Jorge, há requerimentos ao metro e conferências ao Kg



Piedade Lalanda Olívia Patroa, Olívia empregada



Lúcio Rodrigues Poder Local



Berto Messias Sentados à espera



Cláudia Cardoso À mesma mesa



Cláudia Cardoso Os mascarados



Francisco César As ambições pessoais e o interesse público



<< <

Arquivo Histórico do PS/Açores
PSA TV - Canal YouTube Ps/Açores

 
HomeNotícias | Media Center | Agenda | OpiniãoPartido | Presidente | Grupo Parlamentar ALRAA | Deputados AR | Deputados PE | Documentos | Links | Contactos
 
Sede Regional - Bairro da Vitória - Rua Dr. Armando Narciso, nº 5 – S. José - 9500-185 Ponta Delgada
Partido Socialista Açores © Todos os Direitos Reservados