Página Principal Presidente Presidente Honorário Partido Media Center Contactos Siga-nos!
 

Notícias PS/Açores

Mensagem do Presidente da República sobre a Lei do Mar é “clara, objetiva e concretizável”, afirma Vasco Cordeiro


Novo pacote de medidas de apoio ao Turismo apresentado nos próximos dias, anuncia Vasco Cordeiro


Agenda para o Relançamento Social e Económico propõe 250 medidas para “tornar os Açores melhor preparados para o futuro”, afirma Vasco Cordeiro


Candidaturas da Terceira aprovadas no VITIS vão permitir recuperar mais 16 hectares de vinha, afirma João Ponte


Artigos de Opinião

José San-Bento José San-Bento
"Autonomia"
2020-08-10
José Contente José Contente
"Os binómios"
2020-08-12
Mariana Matos Mariana Matos
"Negacionistas"
2020-08-09
Vílson Ponte Gomes Vílson Ponte Gomes
"Uma Nova Agenda"
2020-08-09
José Contente José Contente
"E se?"
2020-08-07
João Castro João Castro
"Lei do Mar"
2020-08-06
José Contente José Contente
"Proximidade"
2020-08-05
ESTÁ AQUI:Media Center»Opinião
Cláudia Cardoso

Opinião

"Os olhos em frente aos meus"

Cláudia Cardoso
2011-05-27

 

Dedilho as teclas mais uma vez. À procura do meu leitor. Em honra e por causa dele. E descubro subitamente por detrás da folha em branco uns olhos que me perseguem. E ouço, mesmo agora, uma respiração constante, que me acompanha, suspensa no gume das palavras. A crónica é um texto inacabado por direito próprio. É um exercício de dispersão que, contraditoriamente, persegue a unidade final. Aos leitores devo a minha demora por aqui. A sua presença ténue e terna, a sua capacidade de revolta. A leveza da sua presença, a determinação das suas convicções. Pressinto, ao dedilhar as teclas, o seu gesto de anuência, ou a discordância mal disfarçada no olhar. O leitor é um juiz severo das sextas. Que me choca e enternece. Que conhece a palavra certa que me falta e que a coloca no puzzle do texto. Com eles partilho a página, comungo a ansiedade e construo o texto. Por eles a crónica sai leve, distraída, como quem vem ao acaso, mas perseguindo determinada um fio condutor. Há no leitor uma exigência escondida mas severa. A da assiduidade. Onde se meteu ela hoje? A da correspondência. Porque não escreve ela o que nós queremos ler? A da fidelidade. Que nos faz cumprir afinal o ritual do encontro. Os olhos que me espreitam e a respiração que me acompanha são essenciais à sobrevivência de quem escreve. Porque dividem comigo a angústia da página em branco e a incerteza do desfecho. Porque se animam com a frase feliz e se entristecem com a crueza do texto. Há neste jogo a suspeita de múltiplos afectos. Espalhados ao longo do tempo, tecendo uma relação segura. Em que vimos todos, eles e eu, à folha deserta, no encalço das respostas que ela tiver para nos dar. E ela coopera solícita ou fecha-se intransigente, comprometendo a relação. Perturbando a correspondência. Que saberemos, com inteligência, restabelecer.

 

Mais Artigos

José San-Bento Vitória Histórica



Hernâni Bettencourt Mar dos Açores



José Contente Mare Nostrum



Carlos Silva SATA: sinais encorajadores



Sónia Nicolau Autonomia que faça costume



José San-Bento Autonomia por Procuração



Mariana Matos Contradições?



Francisco Coelho Gorbachev



<< < > >>

Arquivo Histórico do PS/Açores
PSA TV - Canal YouTube Ps/Açores

 
HomeNotícias | Media Center | Agenda | OpiniãoPartido | Presidente | Grupo Parlamentar ALRAA | Deputados AR | Deputados PE | Documentos | Links | Contactos
 
Sede Regional - Bairro da Vitória - Rua Dr. Armando Narciso, nº 5 – S. José - 9500-185 Ponta Delgada
Partido Socialista Açores © Todos os Direitos Reservados