Página Principal Presidente Presidente Honorário Partido Media Center Contactos Siga-nos!
 

Notícias PS/Açores

Governo dos Açores prepara alterações ao Regime Jurídico da Proteção Civil


Reconstrução do Lorenzo em plena “velocidade de cruzeiro” por toda a Região, afirma Vasco Cordeiro


Serviço Regional de Saúde com reforço de 95 milhões de euros, anuncia Vasco Cordeiro


Observatório do Atlântico com dois milhões de euros


Artigos de Opinião

Sónia Nicolau Sónia Nicolau
"A revisão orçamental para responder às pessoas"
2020-07-08
José San-Bento José San-Bento
"Presidente de Menos"
2020-07-06
Francisco Coelho Francisco Coelho
"Confiar"
2020-07-04
Lara Martinho Lara Martinho
"Orçamento do Estado Suplementar"
2020-07-04
Hernâni Bettencourt Hernâni Bettencourt
"Azores Parque: um inquérito que se impunha! "
2020-07-04
Sónia Nicolau Sónia Nicolau
"Nossa rica Ponta Delgada"
2020-07-04
José Contente José Contente
"O binómio saúde-economia terá de constituir a nossa nova moeda única europeia"
2020-07-03
ESTÁ AQUI:Media Center»Opinião
José San-Bento

Opinião

"PANdemónio"

José San-Bento
2020-06-29

 

O país está a assistir impávido à desagregação do Partido Animais e Natureza (PAN). O que se passa com a agremiação política que se apresentava como a vanguarda da consciência ambiental e ecológica portuguesa?
A criação de um novo partido político deve atender a três fatores decisivos. Um programa inovador, uma representação social nova e quadros dirigentes credíveis e inspiradores. É muito difícil manter a estabilidade destes três fatores.
Em Portugal, temos de recuar às eleições legislativas nacionais de outubro de 1995 para analisar a recomposição do sistema partidário português. Nesse ano, Paulo Portas e Manuel Monteiro reconfiguraram a direita. Nascia o eurocético CDS/PP (partido popular).
Em 1999 foi a vez da reconfiguração à esquerda, através do surgimento do Bloco de Esquerda, uma convergência de correntes políticas entre o espaço do PCP e do PS.
Em 2019 verificou-se a fragmentação do espectro partidário português. À direita surgiu a Iniciativa Liberal e o Chega. À esquerda emergiu o Livre e o PAN saiu reforçado, crescendo de um para quatro deputados. Uns meses antes o PAN elegeu um eurodeputado. O partido parecia destinado ao sucesso. O seu projeto era novo, era diferente e era moda. Seria o futuro?
Atualmente o PAN é um projeto em risco de implodir. O eurodeputado e a deputada da República que abandonaram o PAN consideram que o partido vive uma “centralização do poder”, “sem tolerância para com a diferença” e que “qualquer opinião divergente é rotulada de desleal”. Na Madeira o partido também perdeu a sua direção.
Nos Açores provou-se, nos últimos anos, que quem mais contribuiu para o avanço de uma plataforma progressista ambiental, ecológica e defensora dos animais foi o PS. Muitas vezes os mais fanáticos defensores de uma causa são os piores inimigos da sua concretização. O Pandemónio em que se transformou o PAN parece confirmar esse fatalismo.

 

Mais Artigos

José Ávila A nova normalidade



José Contente Decisões



José San-Bento PANdemónio



Mariana Matos Viver os Açores!



Vílson Ponte Gomes Pela terceira vez



Mónica Rocha A imprescindível defesa e valorização da Agricultura Familiar



Francisco Coelho Concertação



Lara Martinho CTT, TAP E OUTRAS NOVIDADES!



<< < > >>

Arquivo Histórico do PS/Açores
PSA TV - Canal YouTube Ps/Açores

 
HomeNotícias | Media Center | Agenda | OpiniãoPartido | Presidente | Grupo Parlamentar ALRAA | Deputados AR | Deputados PE | Documentos | Links | Contactos
 
Sede Regional - Bairro da Vitória - Rua Dr. Armando Narciso, nº 5 – S. José - 9500-185 Ponta Delgada
Partido Socialista Açores © Todos os Direitos Reservados