Página Principal Presidente Presidente Honorário Partido Media Center Contactos Siga-nos!
 

Notícias PS/Açores

“Açores Primeiro! Todos Contam” apresenta propostas para o futuro da Região


Eleições de 25 de outubro são oportunidade para os Açorianos darem mais força à Autonomia, afirma Vasco Cordeiro


Vasco Cordeiro destaca prioridades para o futuro nas áreas de creche e jardim-de-infância


Vasco Cordeiro destaca “segurança e confiança” como aspetos centrais do projeto do PS/Açores


Artigos de Opinião

Francisco Coelho Francisco Coelho
"Ser ou não ser…"
2020-09-26
Hernâni Bettencourt Hernâni Bettencourt
"Bolieiro: de fato preto nunca me comprometo!"
2020-09-26
Lara Martinho Lara Martinho
"Recuperação e Resiliência"
2020-09-26
José Contente José Contente
"Votar PS"
2020-09-24
Sónia Nicolau Sónia Nicolau
"Mais manutenção de emprego e menos economia paralela"
2020-09-24
Mariana Matos Mariana Matos
"Juntos"
2020-09-20
Francisco Coelho Francisco Coelho
"Concertação"
2020-09-19
ESTÁ AQUI:Media Center»Opinião
Cláudia Cardoso

Opinião

"Saber do que se fala"

Cláudia Cardoso
2011-02-04

 

Há no tempo em que vivemos uma dessincronização entre o curso dos acontecimentos e o seu impacto. Na verdade, a notícia que funcionava como canal privilegiado de acesso à informação deixou de o ser. Em vez disso, o que temos hoje é o acesso à reprodução mimética da mesma notícia que, apesar de variar no grafismo, se repete à exaustão pelos jornais. A notícia é portanto uma novidade relativa. Não encarna a sua função porque repete ideias. E não surpreende. Ao invés, endeusa-se a figura do comentador, que trabalha a perspectiva. E assume o papel de problematizador. Ou de paladino do descrédito de determinada medida. É o seu talhante, quem separa o osso da carne, e quem expõe os seus desperdícios. E serve mais ao leitor, porque através dele pode construir a sua própria perspectiva. O sentido crítico que o mundo actual convoca é também feito disso. Da necessidade absoluta de marcar posição. De se ter uma perspectiva. Um plano de visão. As circunstâncias actuais exigem a participação. O nim é cómodo, mas inerte. Todos temos opinião, e somos todos, também por isso, políticos. Quer seja sobre o mobiliário da praça, ou sobre o futuro da Região. Todos temos um papel na decisão. Resta saber até que ponto estamos dispostos a exercê-lo e a que ponto chega a coragem de o fazer. As decisões, mesmo as más, tem um objectivo, e é por isso que se acreditamos nele não o podemos defraudar. Exige coragem e tenacidade que não se vendem em pacotes no hipermercado. Mas são absolutamente necessárias. Para os comentadores a avaliação é distanciada, mas é mais gratificante. Ajuizar e criticar são pontos fortes do estímulo à intervenção cívica. Portugal é um país de brandos costumes. Mas esta não é uma condenação. É uma constatação que cabe a cada um de nós contribuir para alterar.

 

Mais Artigos

Francisco Coelho Ser ou não ser…



Hernâni Bettencourt Bolieiro: de fato preto nunca me comprometo!



Lara Martinho Recuperação e Resiliência



José Contente Votar PS



Sónia Nicolau Mais manutenção de emprego e menos economia paralela



Mariana Matos Juntos



Francisco Coelho Concertação



Lara Martinho Açores na Assembleia



> >>

Arquivo Histórico do PS/Açores
PSA TV - Canal YouTube Ps/Açores

 
HomeNotícias | Media Center | Agenda | OpiniãoPartido | Presidente | Grupo Parlamentar ALRAA | Deputados AR | Deputados PE | Documentos | Links | Contactos
 
Sede Regional - Bairro da Vitória - Rua Dr. Armando Narciso, nº 5 – S. José - 9500-185 Ponta Delgada
Partido Socialista Açores © Todos os Direitos Reservados