Página Principal Presidente Presidente Honorário Partido Media Center Contactos Siga-nos!
 

Notícias PS/Açores

Retoma da atividade do Serviço Regional de Saúde está no “bom caminho”, afirma Presidente do Governo


Obra de quatro milhões de euros no Museu Carlos Machado vai proporcionar melhores condições aos visitantes, afirma Vasco Cordeiro


Vasco Cordeiro inaugura projeto-piloto que aposta em novas tecnologias de mobilidade elétrica


Vasco Cordeiro recebe contributos da JS para futuras políticas da educação, emprego, habitação e sustentabilidade


Artigos de Opinião

Hernâni Bettencourt Hernâni Bettencourt
"Mar dos Açores"
2020-08-01
José Contente José Contente
"Mare Nostrum"
2020-07-29
Carlos Silva Carlos Silva
"SATA: sinais encorajadores "
2020-07-29
Sónia Nicolau Sónia Nicolau
"Autonomia que faça costume"
2020-07-29
José San-Bento José San-Bento
"Autonomia por Procuração"
2020-07-28
Mariana Matos Mariana Matos
"Contradições?"
2020-07-26
Francisco Coelho Francisco Coelho
"Gorbachev"
2020-07-25
ESTÁ AQUI:Media Center»Opinião
João Aguiar

Opinião

"Haja Saúde"

João Aguiar
2010-11-17

 

Apesar de poder ser considerado um lugar-comum a expressão de que a saúde é a maior riqueza que um ser humano pode possuir, certo é que aquele inestimável bem condiciona a vida de qualquer pessoa, família ou sociedade.
Aqui nos Açores, só por falha de memória ou má-fé, se poderá desmerecer o enorme esforço que ao longo dos anos, os governos de Carlos César têm vindo a desenvolver para que todos os açorianos tenham acesso a um bem precioso que, segundo a Constituição, deverá ser tendencialmente gratuito.
Em nossa opinião, tendencialmente gratuito deverá significar que a cada cidadão caberá contribuir solidariamente, de acordo com os seus rendimentos, de modo a que toda a população tenha direito a cuidados de qualidade, independentemente da sua condição social.
Para a viabilização de um serviço de saúde há que evitar desperdícios, utilizando racionalmente os meios humanos e materiais disponíveis, nunca pondo em risco a assistência ao doente, mas salvaguardando os interesses de uma gestão responsável que reverterá a favor da disponibilização de novos meios humanos e técnicos facilitadores de um melhor e mais diversificado apoio aos doentes e às suas famílias.
Felizmente, podemos nos orgulhar dos cuidados que nos são oferecidos através do Serviço Regional de Saúde dotado de cada vez mais profissionais competentes e de meios técnicos, equiparáveis aos melhores existentes no país e no mundo.
Confirmando o acima dito, na passada segunda-feira, 15 de Novembro, no auditório do Hospital do Divino Espírito Santo, sob a presidência de Carlos César, procedeu-se à assinatura do contrato para a concepção, construção e exploração do Centro de Radioterapia dos Açores. Essa infra-estrutura, a ser construída nos terrenos do referido hospital, está avaliada em 34 milhões de euros e constituirá um importante marco na oferta de cuidados de saúde altamente especializados.
Com a implementação dos serviços de radioterapia em S. Miguel resultarão imensuráveis benefícios quer para os doentes oncológicos quer para as famílias. Deste modo, evitar-se-ão deslocações – por vezes prolongadas - para fora dos Açores, causadoras de grande desconforto para os doentes e familiares, bem como elevados custos financeiros para a Região e para as famílias.
As doenças oncológicas geram sempre grandes níveis de ansiedade pela carga negativa que ainda representam. No entanto, graças à constante evolução da ciência médica e aos rastreios levados a efeito junto das populações que permitem detectar mais precocemente a doença, a taxa de cura tem vindo a aumentar significativamente.
Neste centro, estima-se que anualmente 650 açorianos possam recorrer ao serviço de radioterapia, o que significa à média de 25 sessões por doente, a realização de 16.500 tratamentos/ano, o que corresponderia a milhares de dias de deslocações, com todos os prejuízos materiais e emocionais associados.
No que respeita à utilização da radioterapia é de salientar que para além do uso em situações de doenças oncológicas, este meio é importante como terapia paliativa, contribuindo para a qualidade de vida nos casos da progressão da doença.
A par da implementação deste novo e importante serviço que virá proporcionar cada vez melhores condições de apoio à saúde dos açorianos, o Governo da Região tem vindo a promoverem diversos rastreios. No que concerne ao cancro da mama, já foram rastreadas dezoito mil mulheres, estando em preparação um novo rastreio. Desde o passado mês de Abril, em todas as Unidades de Saúde dos Açores decorre o Programa da Rastreio de Cancro do Colo do Útero que envolve um universo de setenta e cinco mil mulheres com idades compreendidas entre os 25 e os 64 anos. Em preparação está a realização de um rastreio de cancro colo-rectal destinada a cerca cinquenta mil pessoas dos 50 aos 70 anos.
Com as medidas decorrentes e/ou em programação, e ainda com os enormes investimentos anunciados e em curso, o governo de Carlos César leva a efeito uma real e eficaz política de saúde que, passando à margem de interesses meramente corporativos e de poderes confortavelmente instalados, caminha com determinação na defesa e melhoria das condições de vida de todos nós.
Haja saúde e até para a semana.

 

Mais Artigos

Hernâni Bettencourt Mar dos Açores



José Contente Mare Nostrum



Carlos Silva SATA: sinais encorajadores



Sónia Nicolau Autonomia que faça costume



José San-Bento Autonomia por Procuração



Mariana Matos Contradições?



Francisco Coelho Gorbachev



Lara Martinho Estado da Nação



> >>

Arquivo Histórico do PS/Açores
PSA TV - Canal YouTube Ps/Açores

 
HomeNotícias | Media Center | Agenda | OpiniãoPartido | Presidente | Grupo Parlamentar ALRAA | Deputados AR | Deputados PE | Documentos | Links | Contactos
 
Sede Regional - Bairro da Vitória - Rua Dr. Armando Narciso, nº 5 – S. José - 9500-185 Ponta Delgada
Partido Socialista Açores © Todos os Direitos Reservados