Página Principal Presidente Presidente Honorário Partido Media Center Contactos Siga-nos!
 

Notícias PS/Açores

Governo dos Açores anula concurso para construção de navio e direciona 48,2 milhões de euros para saúde, emprego e economia


Conferência de Imprensa do Presidente do Governo Regional dos Açores


Mensagem do Presidente do Governo Regional dos Açores


Governo dos Açores avança com medidas de apoio aos estudantes Açorianos deslocados


Artigos de Opinião

Sónia Nicolau Sónia Nicolau
"A ocupação da terra tem muito de opções políticas"
2020-04-08
José Contente José Contente
"Privatizar?"
2020-04-08
Vílson Ponte Gomes Vílson Ponte Gomes
"Ponto de viragem"
2020-04-07
José San-Bento José San-Bento
"Ousadia ou Prudência?"
2020-04-06
Francisco Coelho Francisco Coelho
"Corsário"
2020-04-04
Lara Martinho Lara Martinho
"ESTADO DE EMERGÊNCIA REFORÇADO"
2020-04-04
José Ávila José Ávila
"A vida em tempos de crise"
2020-04-04
ESTÁ AQUI:Media Center»Opinião
Cláudia Cardoso

Opinião

"Tristeza a quanto obrigas"

Cláudia Cardoso
2010-11-05

 

Depois de Obama o nosso Cavaco entregou-se ao poder das redes sociais. E foi pelo facebook que ficámos a saber da tristeza do Presidente da República Portuguesa. Confessado num post de 4 linhas. Um homem pode assim confessar ao país o seu estado de espírito sem que o acusem de lamechice. Qualquer homem o pode fazer. Até o Presidente. Mas a franqueza vai mais longe. Está “apreensivo com a falta de qualidade dos nossos políticos e a impaciência com que os cidadãos assistem a alguns debates”. Dos quais naturalmente se exclui. Este recado assenta que nem uma luva ao papelão que fez o PSD no processo de construção do Orçamento de Estado. Berrando que este não era o seu orçamento, mas escusando-se sempre a dizer, durante longos penosos dias, qual seria o seu. Os portugueses suspeitam que não diferiria muito. E cansam-se. O que perturba o sossego do nosso Presidente e lhe traz tristeza e perplexidade. Como a qualquer comum dos mortais. Porém, que faça disto uma confissão pública da sua inércia é que já não se percebe. Para não “contribuir para o espectáculo público de cinismo ou de agressividade”. Salvaguardando assim o país de mais um actor de 3ª categoria, o Presidente escolhe ser um figurante. E deixa-se estar “posto em sossego”. Enquanto o país assiste ao início dum período de austeridade de que ninguém arrisca traçar a linha do fim. Não precisa Portugal dos suspiros do Presidente. O ânimo colectivo já lhe chega e sobra. A tristeza que Cavaco atira ao facebook serve afinal a sua perspectiva de reeleição, em que ele, náufrago ilibado dum país de políticos medíocres, se salva. O sebastianismo português fará o resto e a falibilidade da memória encarregar-se-á de validar esta tese. Dando ao candidato uma dimensão de humanidade à prova das balas do actual estado de coisas. Embora ilusório, este é um cenário que lhe é extremamente útil.

 

Mais Artigos

Sónia Nicolau A ocupação da terra tem muito de opções políticas



José Contente Privatizar?



Vílson Ponte Gomes Ponto de viragem



José San-Bento Ousadia ou Prudência?



Francisco Coelho Corsário



Lara Martinho ESTADO DE EMERGÊNCIA REFORÇADO



José Ávila A vida em tempos de crise



Hernâni Bettencourt Mal-entendido?! Em 2011 já era tarde…



> >>

Arquivo Histórico do PS/Açores
PSA TV - Canal YouTube Ps/Açores

 
HomeNotícias | Media Center | Agenda | OpiniãoPartido | Presidente | Grupo Parlamentar ALRAA | Deputados AR | Deputados PE | Documentos | Links | Contactos
 
Sede Regional - Bairro da Vitória - Rua Dr. Armando Narciso, nº 5 – S. José - 9500-185 Ponta Delgada
Partido Socialista Açores © Todos os Direitos Reservados