Página Principal Presidente Presidente Honorário Partido Media Center Contactos Siga-nos!
 

Notícias PS/Açores

Mensagem do Presidente do Governo Regional dos Açores


Governo dos Açores organiza bolsa de alojamento para proteger as famílias dos profissionais de saúde e proteção civil


Governo dos Açores cria Centro de Emergência COVID-19 no Centro de Saúde da Ribeira Grande


Fundopesca acionado para todas as ilhas dos Açores


Artigos de Opinião

José Contente José Contente
"Repugnante"
2020-04-01
Dionísio Faria e Maia Dionísio Faria e Maia
"Não apetece!"
2020-04-01
Sónia Nicolau Sónia Nicolau
"Respostas."
2020-04-01
José San-Bento José San-Bento
"Decisão Acertada"
2020-03-30
Carlos Silva Carlos Silva
"Salvar empregos e apoiar empresas"
2020-03-30
Hernâni Bettencourt Hernâni Bettencourt
"“Resfriadinho” e outras “bobagens” em tempos de pandemia"
2020-03-28
Lara Martinho Lara Martinho
"NÃO PODEMOS PERDER A ALMA"
2020-03-28
ESTÁ AQUI:Media Center»Opinião
José San-Bento

Opinião

"Krugman e a Crise"

José San-Bento
2010-10-21

 

Paul Krugman, famoso pela sua coluna no New York Times e pelo Nobel da Economia de 2008, foi dos primeiros a manifestar sérias reservas pela entrada em circulação do euro, em 2002.
Num texto profético, de 2001, Krugman salientava a impreparação das economias da zona euro e as vastas disparidades económicas que resultariam da falta de uma coordenação fiscal e de um orçamento com capacidade de corrigir os desequilíbrios económicos e financeiros - o orçamento da UE ronda os 120.000 milhões de euros por ano mas representa apenas 1,10% do PIB da EU-27.
Krugman estabeleceu mesmo um paralelo entre possíveis consequências da adopção do euro e a crise financeira do México dos anos 90 - provocada pela dolarização da economia mexicana - referindo dois aspectos curiosos na sua previsão de 2001: a “zona de risco” seria a periferia da UE; e a chave da solução dessa crise seria a Alemanha.
Só que no presente, mesmo considerando o enorme excedente comercial germânico, falar na solução Alemã tem muito que se lhe diga. Primeiro, a sua classe política juntou à tradicional obsessão por uma moeda estável, baixa inflação e deficits controlados, um desprendimento de complexos relativos à II Guerra Mundial. Segundo, a diplomacia alemã sintonizou-se com o seu contribuinte nacional hoje escandalizado com o deficit grego, a fuga ao fisco em países da periferia e casos de corrupção na Bulgária e na Roménia. A nova receita é cada um por si, em vez de um com todos.
Foi neste quadro que o Governo de Sócrates impôs no Orçamento para 2011 uma lista de sacrifícios capaz de matar um touro.
Porém, mais do que o crucificar pelas opções que a conjuntura internacional impôs a 16 dos 16 governos da zona euro, o que esta crise sobretudo revela é que os instrumentos de concretização do formidável projecto de construção europeia estão muito longe da grandeza desse sonho.

Destaque: esta crise revela que os instrumentos de concretização do formidável projecto de construção europeia estão muito longe da grandeza desse sonho

 

Mais Artigos

José Contente Repugnante



Dionísio Faria e Maia Não apetece!



Sónia Nicolau Respostas.



José San-Bento Decisão Acertada



Carlos Silva Salvar empregos e apoiar empresas



Hernâni Bettencourt “Resfriadinho” e outras “bobagens” em tempos de pandemia



Lara Martinho NÃO PODEMOS PERDER A ALMA



Francisco Coelho Euro-dose



> >>

Arquivo Histórico do PS/Açores
PSA TV - Canal YouTube Ps/Açores

 
HomeNotícias | Media Center | Agenda | OpiniãoPartido | Presidente | Grupo Parlamentar ALRAA | Deputados AR | Deputados PE | Documentos | Links | Contactos
 
Sede Regional - Bairro da Vitória - Rua Dr. Armando Narciso, nº 5 – S. José - 9500-185 Ponta Delgada
Partido Socialista Açores © Todos os Direitos Reservados