Página Principal Presidente Presidente Honorário Partido Media Center Contactos Siga-nos!
 

Notícias PS/Açores

Investimento privado na Região demonstra confiança dos empresários na economia, afirma Vasco Cordeiro


Segunda fase do NONAGON avança no primeiro semestre de 2020, anuncia Vasco Cordeiro


Reunião “produtiva” com António Costa no âmbito do relacionamento estável com o Governo da República, afirma Vasco Cordeiro


“Açores Primeiro é um exercício de liberdade, cidadania, responsabilidade e de Autonomia”, afirmou Vasco Cordeiro


Artigos de Opinião

José Contente José Contente
"Plano de 2020"
2019-11-13
Hernâni Bettencourt Hernâni Bettencourt
"200 mil votos cabem em 270 segundos?"
2019-11-16
Lara Martinho Lara Martinho
"NOVO AUMENTO DO SALÁRIO MÍNIMO"
2019-11-16
Francisco Coelho Francisco Coelho
"Direito e ocasião"
2019-11-17
Tiago Branco Tiago Branco
"Porto da Horta: Que futuro?"
2019-11-15
Francisco Coelho Francisco Coelho
"A pedido..."
2019-11-09
Hernâni Bettencourt Hernâni Bettencourt
"Terceira Tech Island: a nossa “Web Summit” em permanência!"
2019-11-09
ESTÁ AQUI:Media Center»Opinião
Berto Messias

Opinião

"Ultrapassar as dificuldades"

Berto Messias
2010-10-22

 

Já é conhecido o teor da proposta de Orçamento de Estado para o ano de 2011.
Esta proposta materializa um plano de austeridade, de contenção da despesa e de aumento das receitas do Estado.
Em boa verdade, apesar da dureza das medidas apresentadas, qualquer Governo, de qualquer partido, teria de propor um orçamento com este teor e com estas medidas.
Mas quando foram conhecidas as primeiras linhas orientadoras desta proposta, o conhecido PEC III, defendi nesta coluna que não seria aceitável qualquer incumprimento da Lei de Finanças Regionais e um tratamento depreciativo às Regiões Autónomas e que o PS Açores e o Governo Regional, à semelhança do que sempre fizeram, deveriam ter grande firmeza na defesa dos nossos interesses, escolhendo sempre os Açores em detrimento de agendas e de conveniências partidárias.
E assim foi. Já sabemos que a proposta de Orçamento de Estado para 2011 não suspende nem altera qualquer norma estabelecida na Lei de Finanças das Regiões Autónomas, assegurando o seu cumprimento integral e garantindo as transferências para a Região do que nos é devido, cerca de 350 Milhões de euros.
Também nesta coluna defendi a importância de manter os grandes índices de investimento público na Região, materializando investimentos reprodutivos e promotores e difusores de desenvolvimento.
É já sabido que este cumprimento da Lei das Finanças Regionais vai permitir a manutenção desses índices garantindo investimentos públicos na Região acima dos 500 milhões de euros.
Os tempos são difíceis, não escamoteamos essa realidade.
Continuamos a viver assolados por uma profunda crise económica e financeira internacional que teima em não passar e que põe em causa a estabilidade e a confiança das pessoas.
Há muito que qualquer economia local, regional ou nacional não estava tão sujeita a constrangimentos externos tão fortes e tão nefastos para todos, que se reflectem negativamente no dia-a-dia das famílias e no aumento do seu custo de vida.
E é nestas horas que os políticos têm de assumir, verdadeiramente, as suas responsabilidades, de forma séria, construtiva e pró-activa para que seja possível minimizar os danos de um plano de austeridade nacional, inevitável para o nosso país.
Nesse sentido, o Governo dos Açores está empenhado em implementar medidas que minimizem esses danos. Recordo o que já foi anunciado. Entre outras medidas está o aumento do Complemento Regional de Pensão, o aumento do Complemento Regional ao Abono de Família para Crianças e Jovens para os 1º, 2º e 3º escalões, bem como nos casos de famílias com desempregados de longa duração sem subsidio de desemprego e que não tenham recusado trabalhos.
Foi, também, tomada a decisão de suspender os aumentos das comparticipações familiares pela utilização de serviços de ama, creches, jardins-de-infância e centros de tempos livres (ATLs) abrangidos por instrumentos de cooperação com a segurança social e serão, igualmente, reforçadas dotações para satisfazer compromissos presentes e futuros com instituições prestadoras de serviços na área social e outras destinadas a apoios eventuais a situações sociais e pessoais de emergência.
São opções políticas de grande lucidez e realismo.
Os tempos são difíceis, mas não nos podemos resignar.
É fácil cair na tentação de recorrer ao pessimismo, ao populismo, à crítica conveniente e destrutiva ou à reivindicação irrealista, mais difícil é apresentar soluções e agir, principalmente nos momentos mais difíceis. Enquanto uns estão entretidos na calúnia, em estratégias de maledicência para encapotar a sua falta de capacidade para implementar soluções que ajudem as pessoas e nos dêem mais desenvolvimento, ou a aproveitar a “onda” da contestação para tentar capitalizar eleitoralmente descontentamentos localizados outros continuam empenhados em trabalhar, de forma lúcida e responsável, em ajudar as populações e em desenvolver a Região, aliás, convém não esquecer, fazendo aquilo para o qual foram mandatados pelos eleitores, tomar decisões, desenvolver políticas em nome do bem colectivo.

 

Mais Artigos

José Contente Plano de 2020



Hernâni Bettencourt 200 mil votos cabem em 270 segundos?



Lara Martinho NOVO AUMENTO DO SALÁRIO MÍNIMO



Francisco Coelho Direito e ocasião



Tiago Branco Porto da Horta: Que futuro?



Francisco Coelho A pedido...



Hernâni Bettencourt Terceira Tech Island: a nossa “Web Summit” em permanência!



Lara Martinho WEB SUMMIT



> >>

Arquivo Histórico do PS/Açores
PSA TV - Canal YouTube Ps/Açores

 
HomeNotícias | Media Center | Agenda | OpiniãoPartido | Presidente | Grupo Parlamentar ALRAA | Deputados AR | Deputados PE | Documentos | Links | Contactos
 
Sede Regional - Bairro da Vitória - Rua Dr. Armando Narciso, nº 5 – S. José - 9500-185 Ponta Delgada
Partido Socialista Açores © Todos os Direitos Reservados