Página Principal Presidente Presidente Honorário Partido Media Center Contactos Siga-nos!
 

Notícias PS/Açores

Governo dos Açores prepara alterações ao Regime Jurídico da Proteção Civil


Reconstrução do Lorenzo em plena “velocidade de cruzeiro” por toda a Região, afirma Vasco Cordeiro


Serviço Regional de Saúde com reforço de 95 milhões de euros, anuncia Vasco Cordeiro


Governo Regional duplica taxa de comparticipação no Programa de Apoio à Restauração e Hotelaria para a Aquisição de Produtos Açorianos


Artigos de Opinião

Sónia Nicolau Sónia Nicolau
"A revisão orçamental para responder às pessoas"
2020-07-08
José San-Bento José San-Bento
"Presidente de Menos"
2020-07-06
Francisco Coelho Francisco Coelho
"Confiar"
2020-07-04
Lara Martinho Lara Martinho
"Orçamento do Estado Suplementar"
2020-07-04
Hernâni Bettencourt Hernâni Bettencourt
"Azores Parque: um inquérito que se impunha! "
2020-07-04
Sónia Nicolau Sónia Nicolau
"Nossa rica Ponta Delgada"
2020-07-04
José Contente José Contente
"O binómio saúde-economia terá de constituir a nossa nova moeda única europeia"
2020-07-03
ESTÁ AQUI:Media Center»Opinião
José San-Bento

Opinião

"PANdemónio"

José San-Bento
2020-06-29

 

O país está a assistir impávido à desagregação do Partido Animais e Natureza (PAN). O que se passa com a agremiação política que se apresentava como a vanguarda da consciência ambiental e ecológica portuguesa?
A criação de um novo partido político deve atender a três fatores decisivos. Um programa inovador, uma representação social nova e quadros dirigentes credíveis e inspiradores. É muito difícil manter a estabilidade destes três fatores.
Em Portugal, temos de recuar às eleições legislativas nacionais de outubro de 1995 para analisar a recomposição do sistema partidário português. Nesse ano, Paulo Portas e Manuel Monteiro reconfiguraram a direita. Nascia o eurocético CDS/PP (partido popular).
Em 1999 foi a vez da reconfiguração à esquerda, através do surgimento do Bloco de Esquerda, uma convergência de correntes políticas entre o espaço do PCP e do PS.
Em 2019 verificou-se a fragmentação do espectro partidário português. À direita surgiu a Iniciativa Liberal e o Chega. À esquerda emergiu o Livre e o PAN saiu reforçado, crescendo de um para quatro deputados. Uns meses antes o PAN elegeu um eurodeputado. O partido parecia destinado ao sucesso. O seu projeto era novo, era diferente e era moda. Seria o futuro?
Atualmente o PAN é um projeto em risco de implodir. O eurodeputado e a deputada da República que abandonaram o PAN consideram que o partido vive uma “centralização do poder”, “sem tolerância para com a diferença” e que “qualquer opinião divergente é rotulada de desleal”. Na Madeira o partido também perdeu a sua direção.
Nos Açores provou-se, nos últimos anos, que quem mais contribuiu para o avanço de uma plataforma progressista ambiental, ecológica e defensora dos animais foi o PS. Muitas vezes os mais fanáticos defensores de uma causa são os piores inimigos da sua concretização. O Pandemónio em que se transformou o PAN parece confirmar esse fatalismo.

 

Mais Artigos

Sónia Nicolau A revisão orçamental para responder às pessoas



José San-Bento Presidente de Menos



Francisco Coelho Confiar



Lara Martinho Orçamento do Estado Suplementar



Hernâni Bettencourt Azores Parque: um inquérito que se impunha!



Sónia Nicolau Nossa rica Ponta Delgada



José Contente O binómio saúde-economia terá de constituir a nossa nova moeda única europeia



Vítor Fraga Em defesa de Ponta Delgada



> >>

Arquivo Histórico do PS/Açores
PSA TV - Canal YouTube Ps/Açores

 
HomeNotícias | Media Center | Agenda | OpiniãoPartido | Presidente | Grupo Parlamentar ALRAA | Deputados AR | Deputados PE | Documentos | Links | Contactos
 
Sede Regional - Bairro da Vitória - Rua Dr. Armando Narciso, nº 5 – S. José - 9500-185 Ponta Delgada
Partido Socialista Açores © Todos os Direitos Reservados