Página Principal Presidente Presidente Honorário Partido Media Center Contactos Siga-nos!
 

Notícias PS/Açores

Governo dos Açores prepara alterações ao Regime Jurídico da Proteção Civil


Reconstrução do Lorenzo em plena “velocidade de cruzeiro” por toda a Região, afirma Vasco Cordeiro


Serviço Regional de Saúde com reforço de 95 milhões de euros, anuncia Vasco Cordeiro


Governo Regional duplica taxa de comparticipação no Programa de Apoio à Restauração e Hotelaria para a Aquisição de Produtos Açorianos


Artigos de Opinião

Sónia Nicolau Sónia Nicolau
"A revisão orçamental para responder às pessoas"
2020-07-08
José San-Bento José San-Bento
"Presidente de Menos"
2020-07-06
Francisco Coelho Francisco Coelho
"Confiar"
2020-07-04
Lara Martinho Lara Martinho
"Orçamento do Estado Suplementar"
2020-07-04
Hernâni Bettencourt Hernâni Bettencourt
"Azores Parque: um inquérito que se impunha! "
2020-07-04
Sónia Nicolau Sónia Nicolau
"Nossa rica Ponta Delgada"
2020-07-04
José Contente José Contente
"O binómio saúde-economia terá de constituir a nossa nova moeda única europeia"
2020-07-03
ESTÁ AQUI:Media Center»Opinião
Hernâni Bettencourt

Opinião

"Loucos de Lisboa"

Hernâni Bettencourt
2020-06-27

 

O título, refiro, desde já, não é uma referência direta aos habitantes de Lisboa. E, muito menos, uma ofensa à minha querida Lisboa. O título é, somente, uma apropriação de uma conhecida música dos Ala dos Namorados e que me ocorreu a propósito do foco da COVID-19 que que se instalou na Área Metropolitana de Lisboa. Foco esse que, à razão média diária de 300 novos casos, está a deixar no ar algum nervosismo, contradições e muitas perguntas sem resposta. A Terra, como se diz na letra que dá título a este texto, parece estar a girar ao contrário. Os rios parecem estar a nascer no mar. Esta espécie de mundo ao contrário está a ter efeitos, também, nos responsáveis políticos e especialistas em epidemiologia e demais áreas técnicas que integram o grupo de experts que, regularmente, reúnem no INFARMED. A última reunião, segundo a VISÃO, prova que os nervos andam à flor da pele. Foi noticiado, e não desmentido, uma alegada “sucessão de irritações” entre António Costa e Marta Temido. Na génese disto, terá estado “a falta de clareza dos dados e o boom de casos em Lisboa e Vale do Tejo”. A questão central parece estar na dificuldade em explicar a origem do foco, sendo que há especialistas que apontavam para o reforço da testagem aliado aos comportamentos de risco da população mais jovem; e outros especialistas que apontam para o facto do contágio estar a ser significativo e não resultado de um maior numero de testes, uma vez que a cada 28 testes realizados 1 é positivo. O Primeiro-Ministro, confrontado com esta ausência de explicação concreta e tendo consciência que o tempo é de ação e não de discussão, decidiu avançar para diferentes níveis de combate à pandemia. Assim, teremos a maior parte do país (Portugal continental) a passar do estado de calamidade para o estado de alerta já a partir do dia 1 de julho; a Área Metropolitana de Lisboa (AML) a passar para a situação de contingência (nível intermédio); e 19 freguesias da AML a manterem o estado de calamidade. Os habitantes destas 19 freguesias, onde se têm vindo a concentrar a esmagadora maioria de novos casos, vão voltar a ter o dever cívico de recolhimento. Ou seja, só devem sair de casa para trabalhar e fazer compras. E os ajuntamentos nestas freguesias dos concelhos de Amadora, Odivelas, Loures, Sinta e Lisboa ficam limitados a cinco pessoas. Simultaneamente, foi aprovado um regime de contraordenações, para quem violar as regras definidas, que vão de 100 a 500 euros para pessoas singulares e de 1000 a 5000 euros para entidades coletivas. Temos, portanto, um recuo na estrada do desconfinamento. Um recuo, para já circunscrito à área geográfica das 19 freguesias dos concelhos acima referenciados, mas um alerta de âmbito geral. De Trás-os-Montes ao Algarve, passando pelos Açores e Madeira. Esta estrada de acesso à “nova normalidade” é extremamente sinuosa. E sabemos que Portugal e estradas, muitas vezes, não combinam com respeito, racionalidade e sensatez… Mas cabe a cada um de nós tudo fazer para evitar conduzir o vírus para outras paragens! E, já agora, voltando à música, não querer ser o “artista principal” do “filme lá do hospital”.

 

Mais Artigos

Sónia Nicolau A revisão orçamental para responder às pessoas



José San-Bento Presidente de Menos



Francisco Coelho Confiar



Lara Martinho Orçamento do Estado Suplementar



Hernâni Bettencourt Azores Parque: um inquérito que se impunha!



Sónia Nicolau Nossa rica Ponta Delgada



José Contente O binómio saúde-economia terá de constituir a nossa nova moeda única europeia



Vítor Fraga Em defesa de Ponta Delgada



> >>

Arquivo Histórico do PS/Açores
PSA TV - Canal YouTube Ps/Açores

 
HomeNotícias | Media Center | Agenda | OpiniãoPartido | Presidente | Grupo Parlamentar ALRAA | Deputados AR | Deputados PE | Documentos | Links | Contactos
 
Sede Regional - Bairro da Vitória - Rua Dr. Armando Narciso, nº 5 – S. José - 9500-185 Ponta Delgada
Partido Socialista Açores © Todos os Direitos Reservados