Página Principal Presidente Presidente Honorário Partido Media Center Contactos Siga-nos!
 

Notícias PS/Açores

Governo dos Açores anula concurso para construção de navio e direciona 48,2 milhões de euros para saúde, emprego e economia


Conferência de Imprensa do Presidente do Governo Regional dos Açores


Mensagem do Presidente do Governo Regional dos Açores


Governo dos Açores avança com medidas de apoio aos estudantes Açorianos deslocados


Artigos de Opinião

Sónia Nicolau Sónia Nicolau
"A ocupação da terra tem muito de opções políticas"
2020-04-08
José Contente José Contente
"Privatizar?"
2020-04-08
Vílson Ponte Gomes Vílson Ponte Gomes
"Ponto de viragem"
2020-04-07
José San-Bento José San-Bento
"Ousadia ou Prudência?"
2020-04-06
Francisco Coelho Francisco Coelho
"Corsário"
2020-04-04
Lara Martinho Lara Martinho
"ESTADO DE EMERGÊNCIA REFORÇADO"
2020-04-04
José Ávila José Ávila
"A vida em tempos de crise"
2020-04-04
ESTÁ AQUI:Media Center»Opinião
Francisco Coelho

Opinião

"Precários"

Francisco Coelho
2020-02-15

 

É mais ou menos consensual no nosso direito, e face à materialidade do conceito de contrato de trabalho, bem como às características marcantes do contrato de trabalho a termo, que trabalhador que satisfaça necessidades permanentes da entidade empregadora, com subordinação à hierarquia, disciplina e horário de serviço, por um período de mais 3 anos ininterruptos (ou sem interrupção relevante), deve ver reconhecido o seu direito a ser considerado como portador de contrato de trabalho sem termo.
Em nome do princípio da igualdade, e por um conjunto de fatores, esse direito também tem vindo a ser reconhecido aos trabalhadores em funções públicas, através de processos de regularização especiais, que compaginem essa situação fáctica com o imperativo constitucional de acesso à função pública mediante concurso.
O Governo da República tem um programa especial para esse efeito, que foi prontamente refletido na Região. De resto, o nosso orçamento para o corrente ano já o previa. No entanto, esses programas têm variantes de grau, consoante o título jurídico admissível que o trabalhador detinha. A alteração orçamental aprovada este mês pelo nosso Parlamento, nesta matéria, introduz uma ampliação significativa, ao reafirmar-se aquele princípio inclusive para o pessoal que se encontre ao abrigo de programas de inserção sócio-profissional nas entidades públicas. Trata-se assim do reconhecimento da situação fáctica, independentemente do título jurídico, incluindo os chamados estágios profissionais.
De resto, já em 1999, o governo do PS tinha adotado política semelhante, através da regularização de pessoal em várias situações e com título inadequado.
Parece que tal medida desagradou a algumas tendências “trabalhistas”, que se escandalizaram por o governo reconhecer que, afinal, havia “estágios” que o não eram… Acontece que, em milhares frequentadores desses programas, que produziram e vão continuar a produzir excelentes resultados de inserção e empregabilidade, se estima que possam ser abrangidos pela regularização pública menos de duas centenas de pessoas. Em 1999, e ao abrigo da respetiva legislação, foram abrangidos cerca de mil, em situações de irregularidade fática com anos

 

Mais Artigos

Sónia Nicolau A ocupação da terra tem muito de opções políticas



José Contente Privatizar?



Vílson Ponte Gomes Ponto de viragem



José San-Bento Ousadia ou Prudência?



Francisco Coelho Corsário



Lara Martinho ESTADO DE EMERGÊNCIA REFORÇADO



José Ávila A vida em tempos de crise



Hernâni Bettencourt Mal-entendido?! Em 2011 já era tarde…



> >>

Arquivo Histórico do PS/Açores
PSA TV - Canal YouTube Ps/Açores

 
HomeNotícias | Media Center | Agenda | OpiniãoPartido | Presidente | Grupo Parlamentar ALRAA | Deputados AR | Deputados PE | Documentos | Links | Contactos
 
Sede Regional - Bairro da Vitória - Rua Dr. Armando Narciso, nº 5 – S. José - 9500-185 Ponta Delgada
Partido Socialista Açores © Todos os Direitos Reservados