Página Principal Presidente Presidente Honorário Partido Media Center Contactos Siga-nos!
 

Notícias PS/Açores

Governo dos Açores prepara alterações ao Regime Jurídico da Proteção Civil


Reconstrução do Lorenzo em plena “velocidade de cruzeiro” por toda a Região, afirma Vasco Cordeiro


Obra de 1,2 milhões de euros garante melhores condições de segurança e de trabalho no porto de pescas da Madalena, afirma Vasco Cordeiro


Serviço Regional de Saúde com reforço de 95 milhões de euros, anuncia Vasco Cordeiro


Artigos de Opinião

José San-Bento José San-Bento
"Presidente de Menos"
2020-07-06
Francisco Coelho Francisco Coelho
"Confiar"
2020-07-04
Lara Martinho Lara Martinho
"Orçamento do Estado Suplementar"
2020-07-04
Hernâni Bettencourt Hernâni Bettencourt
"Azores Parque: um inquérito que se impunha! "
2020-07-04
Sónia Nicolau Sónia Nicolau
"Nossa rica Ponta Delgada"
2020-07-04
José Contente José Contente
"O binómio saúde-economia terá de constituir a nossa nova moeda única europeia"
2020-07-03
Vítor Fraga Vítor Fraga
"Em defesa de Ponta Delgada"
2020-07-03
ESTÁ AQUI:Media Center»Opinião
Hernâni Bettencourt

Opinião

"Os eleitores gostam mesmo da “geringonça”?"

Hernâni Bettencourt
2019-10-11

 

Ao longo dos últimos 4 anos fomos, insistentemente, inundados com uma espécie de apologia da geringonça. A fórmula política encontrada para “apear” a dupla Passos Coelho e Paulo Portas não só punha termo ao denominado arco da governação (território pertencente ao PS, PSD e CDS-PP), como principalmente incutia responsabilidade a quem até então apenas se assumia como oposição. Oposição ao poder. Independentemente de ser o PS ou o PSD o inquilino do Terreiro do Paço. A palavra de ordem era simples e de uma (in)coerência extrema: contra. Contra, sempre! Ora, como sabemos, sempre significa… até um dia. E assim foi. Na noite de 4 de outubro de 2015 Jerónimo de Sousa, surpreendentemente, diz algo como: “O PS só não será governo se não quiser…” Os comentadores e analistas políticos, meio atónitos, começaram a fazer análises, prognósticos e contas. O ceticismo reinava. Uns falavam em impossibilidade quase total de conciliação. Outros anunciavam a morte à nascença desta ideia. A verdade é que Passos Coelho viu o seu programa de governo ser rejeitado e, uns dias depois, António Costa já estava em plenas funções. Por esta altura, não só se teciam loas à mestria de Costa, como esta inovadora cartada era comentada utilizando expressões como “derrubar muros”; “fazer história”; “verdadeira democratização do sistema partidário”; “dar sentido à eleição de deputados”, etc… Ora, no passado dia 6, os eleitores (infelizmente apenas 55%!!) pronunciaram-se também sobre a “geringonça”. E o que disseram nas urnas? Em primeiro lugar, deram a vitória ao PS. O PS ganhou em 15 dos 20 círculos eleitorais existentes no território nacional (em 2015 havia vencido em 7). O PS cresceu em número de votos (mais 125 mil face às eleições de 2015). O PS cresceu em número de mandatos (mais 21 – faltando ainda atribuir 4 mandatos). Em síntese, os eleitores permitiram ao PS crescer 4,3% face às legislativas anteriores, obtendo agora 36,7%, o que corresponde à obtenção de 106 mandatos. Em segundo lugar, os eleitores disseram nas urnas que o BE (versão social democrata?) não justificava mais do que o número de mandatos que já tinha (19), sendo que na contagem dos votos regista-se agora menos 50 mil face a 2015. Em terceiro lugar, os eleitores decidiram penalizar fortemente a CDU (coligação que congrega o PCP e Os Verdes), cujos 2% de perda de base eleitoral se traduzem em menos 115 mil votos e, consequentemente, na perda de 5 mandatos. Em quarto e último lugar impõe-se uma referência ao PAN - ainda que não tenha ficado na foto dos acordos de incidência parlamentar, mas pela postura quase sempre alinhada com a maioria de esquerda – que cresceu e muito (mais do que duplicou o número de votos e quadruplicou os mandados). Foi, objetivamente, o segundo grande vencedor da noite eleitoral. Para terminar, cumpre referir que o apuramento dos votos depositados nas urnas e acima elencados dá a resposta à nossa inquietante pergunta. Ou melhor, dá-nos um conjunto de factos (números). Mas como dizia Friedrich Nietzsche: “Não há factos, apenas interpretações.”

 

Mais Artigos

José San-Bento Presidente de Menos



Francisco Coelho Confiar



Lara Martinho Orçamento do Estado Suplementar



Hernâni Bettencourt Azores Parque: um inquérito que se impunha!



Sónia Nicolau Nossa rica Ponta Delgada



José Contente O binómio saúde-economia terá de constituir a nossa nova moeda única europeia



Vítor Fraga Em defesa de Ponta Delgada



José Ávila A nova normalidade



> >>

Arquivo Histórico do PS/Açores
PSA TV - Canal YouTube Ps/Açores

 
HomeNotícias | Media Center | Agenda | OpiniãoPartido | Presidente | Grupo Parlamentar ALRAA | Deputados AR | Deputados PE | Documentos | Links | Contactos
 
Sede Regional - Bairro da Vitória - Rua Dr. Armando Narciso, nº 5 – S. José - 9500-185 Ponta Delgada
Partido Socialista Açores © Todos os Direitos Reservados