Página Principal Presidente Presidente Honorário Partido Media Center Contactos Siga-nos!
 

Notícias PS/Açores

Investimento privado na Região demonstra confiança dos empresários na economia, afirma Vasco Cordeiro


Segunda fase do NONAGON avança no primeiro semestre de 2020, anuncia Vasco Cordeiro


Reunião “produtiva” com António Costa no âmbito do relacionamento estável com o Governo da República, afirma Vasco Cordeiro


“Açores Primeiro é um exercício de liberdade, cidadania, responsabilidade e de Autonomia”, afirmou Vasco Cordeiro


Artigos de Opinião

José Contente José Contente
"Plano de 2020"
2019-11-13
Hernâni Bettencourt Hernâni Bettencourt
"200 mil votos cabem em 270 segundos?"
2019-11-16
Lara Martinho Lara Martinho
"NOVO AUMENTO DO SALÁRIO MÍNIMO"
2019-11-16
Francisco Coelho Francisco Coelho
"Direito e ocasião"
2019-11-17
Tiago Branco Tiago Branco
"Porto da Horta: Que futuro?"
2019-11-15
Francisco Coelho Francisco Coelho
"A pedido..."
2019-11-09
Hernâni Bettencourt Hernâni Bettencourt
"Terceira Tech Island: a nossa “Web Summit” em permanência!"
2019-11-09
ESTÁ AQUI:Media Center»Opinião
Hernâni Bettencourt

Opinião

"Os eleitores gostam mesmo da “geringonça”?"

Hernâni Bettencourt
2019-10-11

 

Ao longo dos últimos 4 anos fomos, insistentemente, inundados com uma espécie de apologia da geringonça. A fórmula política encontrada para “apear” a dupla Passos Coelho e Paulo Portas não só punha termo ao denominado arco da governação (território pertencente ao PS, PSD e CDS-PP), como principalmente incutia responsabilidade a quem até então apenas se assumia como oposição. Oposição ao poder. Independentemente de ser o PS ou o PSD o inquilino do Terreiro do Paço. A palavra de ordem era simples e de uma (in)coerência extrema: contra. Contra, sempre! Ora, como sabemos, sempre significa… até um dia. E assim foi. Na noite de 4 de outubro de 2015 Jerónimo de Sousa, surpreendentemente, diz algo como: “O PS só não será governo se não quiser…” Os comentadores e analistas políticos, meio atónitos, começaram a fazer análises, prognósticos e contas. O ceticismo reinava. Uns falavam em impossibilidade quase total de conciliação. Outros anunciavam a morte à nascença desta ideia. A verdade é que Passos Coelho viu o seu programa de governo ser rejeitado e, uns dias depois, António Costa já estava em plenas funções. Por esta altura, não só se teciam loas à mestria de Costa, como esta inovadora cartada era comentada utilizando expressões como “derrubar muros”; “fazer história”; “verdadeira democratização do sistema partidário”; “dar sentido à eleição de deputados”, etc… Ora, no passado dia 6, os eleitores (infelizmente apenas 55%!!) pronunciaram-se também sobre a “geringonça”. E o que disseram nas urnas? Em primeiro lugar, deram a vitória ao PS. O PS ganhou em 15 dos 20 círculos eleitorais existentes no território nacional (em 2015 havia vencido em 7). O PS cresceu em número de votos (mais 125 mil face às eleições de 2015). O PS cresceu em número de mandatos (mais 21 – faltando ainda atribuir 4 mandatos). Em síntese, os eleitores permitiram ao PS crescer 4,3% face às legislativas anteriores, obtendo agora 36,7%, o que corresponde à obtenção de 106 mandatos. Em segundo lugar, os eleitores disseram nas urnas que o BE (versão social democrata?) não justificava mais do que o número de mandatos que já tinha (19), sendo que na contagem dos votos regista-se agora menos 50 mil face a 2015. Em terceiro lugar, os eleitores decidiram penalizar fortemente a CDU (coligação que congrega o PCP e Os Verdes), cujos 2% de perda de base eleitoral se traduzem em menos 115 mil votos e, consequentemente, na perda de 5 mandatos. Em quarto e último lugar impõe-se uma referência ao PAN - ainda que não tenha ficado na foto dos acordos de incidência parlamentar, mas pela postura quase sempre alinhada com a maioria de esquerda – que cresceu e muito (mais do que duplicou o número de votos e quadruplicou os mandados). Foi, objetivamente, o segundo grande vencedor da noite eleitoral. Para terminar, cumpre referir que o apuramento dos votos depositados nas urnas e acima elencados dá a resposta à nossa inquietante pergunta. Ou melhor, dá-nos um conjunto de factos (números). Mas como dizia Friedrich Nietzsche: “Não há factos, apenas interpretações.”

 

Mais Artigos

José Contente Plano de 2020



Hernâni Bettencourt 200 mil votos cabem em 270 segundos?



Lara Martinho NOVO AUMENTO DO SALÁRIO MÍNIMO



Francisco Coelho Direito e ocasião



Tiago Branco Porto da Horta: Que futuro?



Francisco Coelho A pedido...



Hernâni Bettencourt Terceira Tech Island: a nossa “Web Summit” em permanência!



Lara Martinho WEB SUMMIT



> >>

Arquivo Histórico do PS/Açores
PSA TV - Canal YouTube Ps/Açores

 
HomeNotícias | Media Center | Agenda | OpiniãoPartido | Presidente | Grupo Parlamentar ALRAA | Deputados AR | Deputados PE | Documentos | Links | Contactos
 
Sede Regional - Bairro da Vitória - Rua Dr. Armando Narciso, nº 5 – S. José - 9500-185 Ponta Delgada
Partido Socialista Açores © Todos os Direitos Reservados