Página Principal Presidente Presidente Honorário Partido Media Center Contatos Siga-nos!
 

Notícias PS/Açores

Presidente do Governo inaugura residência para doentes deslocados na ilha Terceira que é exemplo de coesão social


Turismo na Terceira tem desafios, mas tendência dos últimos anos é de fortalecimento do setor, afirma Vasco Cordeiro


Vasco Cordeiro destaca impacto que apoios à habitação têm na vida dos beneficiários


Vasco Cordeiro visita obra do Terminal de Cargas que vai fortalecer capacidade exportadora da Terceira e dos Açores


Artigos de Opinião

Hernâni Bettencourt Hernâni Bettencourt
"Desnorte total"
2019-10-19
Tiago Branco Tiago Branco
"A Força do Lorenzo contra a força da solidariedade"
2019-10-18
Fátima Ferreira Fátima Ferreira
"A ATUALIDADE E AS SUAS EXIGÊNCIAS"
2019-10-19
Francisco Coelho Francisco Coelho
"Nós, cidadãos..."
2019-10-19
José Contente José Contente
"Estabilidade"
2019-10-16
Francisco Coelho Francisco Coelho
"Rescaldo"
2019-10-12
José Miguel Toste José Miguel Toste
"Dire(i)to à política: Auspícios, factos e alguma animação"
2019-10-12
ESTÁ AQUI:Media Center»Opinião
Hernâni Bettencourt

Opinião

"Os tabuleiros de Bolieiro"

Hernâni Bettencourt
2019-07-29

 

No xadrez é habitual vermos, nos chamados torneios de exibição, os mestres mais conceituados a jogarem frente a múltiplos adversários. Todos já devem ter presenciado o corrupio do mestre entre tabuleiros. Rapidez de pensamento; agilidade nos movimentos das peças e a vitória como objetivo sempre em mente. Ora, lembrámo-nos destas imagens ao assistir às recentes movimentações políticas de Bolieiro. Vamos, então, tabuleiro a tabuleiro, tentar decifrar as erráticas jogadas de “mestre” Bolieiro:

Tabuleiro 1 – Minha querida Lisboa!
Bolieiro, confiante no seu prestígio pessoal e institucional, decide que nem precisaria de ir a jogo com peças superiores aos peões. Ora, no xadrez, tal como em tudo o resto, nunca se deve subestimar o adversário. E muito menos julgar que nem adversário se tem. Aqui o “mestre” começa a ser visto como um “pobre mestre”, tendo em conta que se esqueceu de uma regra básica do jogo: o peão não pode mover-se para trás. Restava, então, fazer de conta que os peões se tinham movimentado sozinhos. E, assim, mestre Bolieiro voltava rápido a ser aquilo que adora: o rei da dissimulação.

Tabuleiro 2 – Meu querido Rio!
Bolieiro é anunciado vice-presidente do PSD nacional, substituindo no cargo Castro Almeida que havia renunciado por motivos de divergências políticas com Rio. Tínhamos, assim, de surpresa, Bolieiro a fazer a ponte sobre um Rio que está em acelerada seca. A surpreendente jogada era, à primeira vista, um claro xeque a um fragilizado rei. Acontece que esta jogada seria uma clara tomada de posição se o jogo se desenrolasse apenas num tabuleiro, o que não era o caso. Tivemos assim uma jogada com o cavalo, o qual move-se “uma casa como torre e uma casa como bispo”. Estava assim aberta a discussão enquanto o “mestre” já ia a caminho do próximo tabuleiro.

Tabuleiro 3 – Meu querido Gaudêncio!
Uns dias depois… Aí estava Bolieiro a ser anunciado, por Gaudêncio, como mandatário regional do PSD/Açores nas eleições à Assembleia da República. Tínhamos assim uma movimentação do bispo em proteção do fragilizado rei. Bolieiro tinha plena consciência que, para manter a aura de D. Sebastião, não podia desligar totalmente de Gaudêncio. As vestes de mandatário dão para uma coisa e o seu contrário. Está em jogo, mas não vai a jogo. O disfarce é uma das jogadas de eleição do “mestre” Bolieiro!

Tabuleiro 4 – E minha querida Ponta Delgada, para quando?
Chegámos, para não sermos demasiado maçadores, ao último tabuleiro. Diz-se que os últimos são os primeiros. Infelizmente, neste ficcionado torneio de xadrez, assim não é. Ponta Delgada, a apregoada jóia da coroa do PSD/Açores, está há muito tempo sem mestre. Bolieiro chegará ao próximo ato eleitoral, a qual não quererá concorrer, mas em que acabará por ser candidato, como “o amigo”, o tipo porreiro que não diz não a ninguém, que promete trabalhar e não se compromete com nada em concreto, que decide apenas quando não pode adiar… Ponta Delgada merece um verdadeiro mestre. Um mestre a tempo inteiro... e sem pensar noutros tabuleiros!

 

Mais Artigos

Hernâni Bettencourt Desnorte total



Tiago Branco A Força do Lorenzo contra a força da solidariedade



Fátima Ferreira A ATUALIDADE E AS SUAS EXIGÊNCIAS



Francisco Coelho Nós, cidadãos...



José Contente Estabilidade



Francisco Coelho Rescaldo



José Miguel Toste Dire(i)to à política: Auspícios, factos e alguma animação



Hernâni Bettencourt Os eleitores gostam mesmo da “geringonça”?



> >>

Arquivo Histórico do PS/Açores
PSA TV - Canal YouTube Ps/Açores

 
HomeNotícias | Media Center | Agenda | OpiniãoPartido | Presidente | Grupo Parlamentar ALRAA | Deputados AR | Deputados PE | Documentos | Links | Contactos
 
Sede Regional - Bairro da Vitória - Rua Dr. Armando Narciso, nº 5 – S. José - 9500-185 Ponta Delgada
Partido Socialista Açores © Todos os Direitos Reservados