Página Principal Presidente Presidente Honorário Partido Media Center Contatos Siga-nos!
 

Notícias PS/Açores

Presidente do Governo inaugura residência para doentes deslocados na ilha Terceira que é exemplo de coesão social


Turismo na Terceira tem desafios, mas tendência dos últimos anos é de fortalecimento do setor, afirma Vasco Cordeiro


Vasco Cordeiro destaca impacto que apoios à habitação têm na vida dos beneficiários


Vasco Cordeiro visita obra do Terminal de Cargas que vai fortalecer capacidade exportadora da Terceira e dos Açores


Artigos de Opinião

Hernâni Bettencourt Hernâni Bettencourt
"Desnorte total"
2019-10-19
Tiago Branco Tiago Branco
"A Força do Lorenzo contra a força da solidariedade"
2019-10-18
Fátima Ferreira Fátima Ferreira
"A ATUALIDADE E AS SUAS EXIGÊNCIAS"
2019-10-19
Francisco Coelho Francisco Coelho
"Nós, cidadãos..."
2019-10-19
José Contente José Contente
"Estabilidade"
2019-10-16
Francisco Coelho Francisco Coelho
"Rescaldo"
2019-10-12
José Miguel Toste José Miguel Toste
"Dire(i)to à política: Auspícios, factos e alguma animação"
2019-10-12
ESTÁ AQUI:Media Center»Opinião
Hernâni Bettencourt

Opinião

"Moniz no fato de Bolieiro e o PSD sem alfaiate "

Hernâni Bettencourt
2019-07-06

 

No passado dia 3 de junho o PSD/A aprovou o perfil dos candidatos a integrar a lista à Assembleia da República. Retivemos as seguintes características: “experiência política”; “reconhecida idoneidade política”; “capacidade de diálogo” e “dimensão regional”. Passados poucos dias, como já corria em surdina, surge na comunicação social um nome que encaixava que nem uma luva. O fato tinha sido feito à medida daquele que é tido como o “joker”. Sim, falamos, obviamente, de José Manuel Bolieiro. Sucederam-se as reuniões. As massas começaram a agitar-se. A JSD e os TSD tomaram a dianteira da oposição interna e deram início à contagem de espingardas. Bolieiro, com a habilidade que lhe é reconhecida para a dissimulação, não se pronunciou objetivamente e andava mais preocupado com as selfies entre uma e outra atuação da marcha dos coriscos. Gaudêncio tinha a missão de o levar em ombros até Lisboa. Quem ficasse atrás que resolvesse o escaldante dossiê chamado Câmara Municipal de Ponta Delgada. As hostes sociais democratas micaelenses estavam em ebulição. Pairava pelas mentes de todos a eventual perda da “joia da coroa”. E eis que chegamos a dia 2 de julho. Dia de reunião da Comissão Política Regional. Dia de decisões. Gaudêncio, apesar do ruído público, entra confiante que ao anunciar a disponibilidade do “ás de trunfo” em encabeçar a lista à Assembleia da República teria dois ou três críticos e que os demais aplaudiriam de pé. Ora, não foi nada disto que aconteceu. Gaudêncio, como diz o povo, ficou sem chão. Nem a direção por si escolhida estava do seu lado! Muito menos os Presidentes de Junta! A hora era de recuar rapidamente. Tentando-se recompor do tremendo e inacreditável erro de cálculo, dá um passo em frente e avança com outro nome para cabeça de lista. Pior a emenda que o soneto. Rebelião instalada na sala. Gaudêncio perdido nos seus próprios ziguezagues. Desnorte total! Restava, agora, agrupar as exaltadas tropas e conseguir os entendimentos e consensos necessários para se alcançar uma terceira via. E surgiu. Chama-se Paulo Moniz. Dizem que é bom profissional e excelente pessoa. Acontece que não rima, nem encosta com o perfil traçado um mês antes. Mas isso, após o que se havia passado anteriormente na sala, era um mero pormenor. A partir de agora seria o maior. A escolha deste a primeira hora. A escolha consensual. A nota pública da reunião, tal como as declarações, iriam dar umas pinceladas artísticas sobre a escolha feita. E assim foi. “Vendeu-se” o escolhido como “indicado em sintonia com as estruturas locais” (como?) e um “claro sinal de abertura à sociedade”. Pensámos logo que se tratava daquelas figuras adoradas em certos sectores da sociedade e também nos partidos e que se denominam “independentes”. Acontece que volta a não rimar, nem sequer a encostar. Afinal, estamos na presença de um independente sui generis. É apenas independente dos órgãos partidários, mas militante há mais de 20 anos! A feitura de listas é, de facto, uma missão difícil. No PSD/A, na liderança Gaudêncio, tem sido um autêntico suplício. Nas europeias o papel de mau ficou para Rui Rio e agora, quem é o responsável por mais esta enorme trapalhada?

 

Mais Artigos

Hernâni Bettencourt Desnorte total



Tiago Branco A Força do Lorenzo contra a força da solidariedade



Fátima Ferreira A ATUALIDADE E AS SUAS EXIGÊNCIAS



Francisco Coelho Nós, cidadãos...



José Contente Estabilidade



Francisco Coelho Rescaldo



José Miguel Toste Dire(i)to à política: Auspícios, factos e alguma animação



Hernâni Bettencourt Os eleitores gostam mesmo da “geringonça”?



> >>

Arquivo Histórico do PS/Açores
PSA TV - Canal YouTube Ps/Açores

 
HomeNotícias | Media Center | Agenda | OpiniãoPartido | Presidente | Grupo Parlamentar ALRAA | Deputados AR | Deputados PE | Documentos | Links | Contactos
 
Sede Regional - Bairro da Vitória - Rua Dr. Armando Narciso, nº 5 – S. José - 9500-185 Ponta Delgada
Partido Socialista Açores © Todos os Direitos Reservados