Página Principal Presidente Presidente Honorário Partido Media Center Contactos Siga-nos!
 

Notícias PS/Açores

Reconstrução do Lorenzo em plena “velocidade de cruzeiro” por toda a Região, afirma Vasco Cordeiro


Obra de 1,2 milhões de euros garante melhores condições de segurança e de trabalho no porto de pescas da Madalena, afirma Vasco Cordeiro


Comissão deve estar preparada para ter Quadro Financeiro Plurianual operacional no início de 2021, defende Vasco Cordeiro


Serviço Regional de Saúde com reforço de 95 milhões de euros, anuncia Vasco Cordeiro


Artigos de Opinião

Vítor Fraga Vítor Fraga
"Em defesa de Ponta Delgada"
2020-07-03
José Ávila José Ávila
"A nova normalidade"
2020-07-01
José Contente José Contente
"Decisões"
2020-07-01
José San-Bento José San-Bento
"PANdemónio"
2020-06-29
Mariana Matos Mariana Matos
"Viver os Açores!"
2020-06-28
Vílson Ponte Gomes Vílson Ponte Gomes
"Pela terceira vez"
2020-06-28
Mónica Rocha Mónica Rocha
"A imprescindível defesa e valorização da Agricultura Familiar"
2020-06-28
ESTÁ AQUI:Media Center»Opinião
Hernâni Bettencourt

Opinião

"Moniz no fato de Bolieiro e o PSD sem alfaiate "

Hernâni Bettencourt
2019-07-06

 

No passado dia 3 de junho o PSD/A aprovou o perfil dos candidatos a integrar a lista à Assembleia da República. Retivemos as seguintes características: “experiência política”; “reconhecida idoneidade política”; “capacidade de diálogo” e “dimensão regional”. Passados poucos dias, como já corria em surdina, surge na comunicação social um nome que encaixava que nem uma luva. O fato tinha sido feito à medida daquele que é tido como o “joker”. Sim, falamos, obviamente, de José Manuel Bolieiro. Sucederam-se as reuniões. As massas começaram a agitar-se. A JSD e os TSD tomaram a dianteira da oposição interna e deram início à contagem de espingardas. Bolieiro, com a habilidade que lhe é reconhecida para a dissimulação, não se pronunciou objetivamente e andava mais preocupado com as selfies entre uma e outra atuação da marcha dos coriscos. Gaudêncio tinha a missão de o levar em ombros até Lisboa. Quem ficasse atrás que resolvesse o escaldante dossiê chamado Câmara Municipal de Ponta Delgada. As hostes sociais democratas micaelenses estavam em ebulição. Pairava pelas mentes de todos a eventual perda da “joia da coroa”. E eis que chegamos a dia 2 de julho. Dia de reunião da Comissão Política Regional. Dia de decisões. Gaudêncio, apesar do ruído público, entra confiante que ao anunciar a disponibilidade do “ás de trunfo” em encabeçar a lista à Assembleia da República teria dois ou três críticos e que os demais aplaudiriam de pé. Ora, não foi nada disto que aconteceu. Gaudêncio, como diz o povo, ficou sem chão. Nem a direção por si escolhida estava do seu lado! Muito menos os Presidentes de Junta! A hora era de recuar rapidamente. Tentando-se recompor do tremendo e inacreditável erro de cálculo, dá um passo em frente e avança com outro nome para cabeça de lista. Pior a emenda que o soneto. Rebelião instalada na sala. Gaudêncio perdido nos seus próprios ziguezagues. Desnorte total! Restava, agora, agrupar as exaltadas tropas e conseguir os entendimentos e consensos necessários para se alcançar uma terceira via. E surgiu. Chama-se Paulo Moniz. Dizem que é bom profissional e excelente pessoa. Acontece que não rima, nem encosta com o perfil traçado um mês antes. Mas isso, após o que se havia passado anteriormente na sala, era um mero pormenor. A partir de agora seria o maior. A escolha deste a primeira hora. A escolha consensual. A nota pública da reunião, tal como as declarações, iriam dar umas pinceladas artísticas sobre a escolha feita. E assim foi. “Vendeu-se” o escolhido como “indicado em sintonia com as estruturas locais” (como?) e um “claro sinal de abertura à sociedade”. Pensámos logo que se tratava daquelas figuras adoradas em certos sectores da sociedade e também nos partidos e que se denominam “independentes”. Acontece que volta a não rimar, nem sequer a encostar. Afinal, estamos na presença de um independente sui generis. É apenas independente dos órgãos partidários, mas militante há mais de 20 anos! A feitura de listas é, de facto, uma missão difícil. No PSD/A, na liderança Gaudêncio, tem sido um autêntico suplício. Nas europeias o papel de mau ficou para Rui Rio e agora, quem é o responsável por mais esta enorme trapalhada?

 

Mais Artigos

Vítor Fraga Em defesa de Ponta Delgada



José Ávila A nova normalidade



José Contente Decisões



José San-Bento PANdemónio



Mariana Matos Viver os Açores!



Vílson Ponte Gomes Pela terceira vez



Mónica Rocha A imprescindível defesa e valorização da Agricultura Familiar



Francisco Coelho Concertação



> >>

Arquivo Histórico do PS/Açores
PSA TV - Canal YouTube Ps/Açores

 
HomeNotícias | Media Center | Agenda | OpiniãoPartido | Presidente | Grupo Parlamentar ALRAA | Deputados AR | Deputados PE | Documentos | Links | Contactos
 
Sede Regional - Bairro da Vitória - Rua Dr. Armando Narciso, nº 5 – S. José - 9500-185 Ponta Delgada
Partido Socialista Açores © Todos os Direitos Reservados