Página Principal Presidente Presidente Honorário Partido Media Center Contactos Siga-nos!
 

Notícias PS/Açores

Obra de construção da proteção de emergência já arrancou no Porto das Lajes das Flores


Vasco Cordeiro dedica o dia a contactos no Corvo no âmbito da retoma da atividade económica da Região


Reunião com o Presidente da Câmara da Praia da Vitória permitiu analisar a retoma económica no concelho, afirma Vasco Cordeiro


“Interessa agora trabalhar para que a economia e o emprego ganhem novo impulso” em cada ilha, afirma Vasco Cordeiro


Artigos de Opinião

Francisco Coelho Francisco Coelho
"Tele… Quê?"
2020-06-06
Lara Martinho Lara Martinho
"Estabilizar para recuperar"
2020-06-06
Hernâni Bettencourt Hernâni Bettencourt
"Um discurso marcante para uma missão hercúlea "
2020-06-06
José Ávila José Ávila
"Quando falta palco"
2020-06-06
João Vasco Costa João Vasco Costa
"Do fastio"
2020-06-05
Francisco Coelho Francisco Coelho
"Esclarecimento"
2020-06-05
Carlos Silva Carlos Silva
"Reerguer a Economia Açoriana"
2020-06-04
ESTÁ AQUI:Media Center»Opinião
Berto Messias

Opinião

"Democracia é muito mais que a "Troika""

Berto Messias
2011-05-09

 

Finalmente, depois de esperar longas semanas, os portugueses conhecem, em toda a sua profundidade, as medidas negociadas com a “troika” para que seja possível a Portugal reduzir o défice das contas públicas e conseguir financiar-se no exterior com uma taxa de juro razoável.
Assim sendo, já não há volta a dar. O próximo governo terá de assumir este plano como sendo as directrizes que o país tem de tomar para que consiga ultrapassar o momento difícil dos próximos anos até encontrar um ritmo de crescimento sustentável da sua economia que permita gerar riqueza e, consequentemente, criar emprego.
Sendo isso verdade, é preciso ter atenção que este memorando de entendimento firmado entre o Governo e a “troika” é um documento de cariz puramente técnico, que indica caminhos, metas e quantifica reduções. Não é – nem poderia ser – um documento político a submeter aos portugueses nas legislativas antecipadas de 05 de Junho. Esta função caberá aos partidos políticos que se vão submeter ao sufrágio.
Ou seja, as medidas acordadas entre Portugal e a “troika” estão perfeitamente definidas, mas não está a forma como o país as vai adoptar e desenvolver nos próximos anos. É por isso que as próximas eleições assumem uma grande importância, ao contrário do que alguns partidos querem fazer crer na opinião pública.
As metas definidas para a redução custos na Saúde, por exemplo, podem ser alcançadas de várias formas, dependendo da sensibilidade social e da ideologia que cada partido. Não será, certamente, da mesma forma que o PS e o PSD olham para esta questão. PS olha para a Saúde como um serviço público ao serviço dos cidadãos, o PSD vê a Saúde como uma despesa pública que pode ser transposta para os privados.
O mesmo na Educação. O PS pensa que, nunca como agora, foi tão necessária uma escola pública de qualidade que abranja todos os estratos sociais, o PSD acha que a escola pode ser uma indústria regulada pela lei da oferta e da procura, com alunos de primeira e alunos de segunda, conforme os rendimentos familiares.
Estes são dois exemplos bem significativos que mostram como estes dois partidos partem para as medidas que a “troika” negociou com a Portugal. Para o PS, estas medidas são um mal necessário, depois de esgotadas todas as alternativas para o país. Para o PSD, estas medidas são uma oportunidade de arranjar uma desculpa exterior que justifique o que este partido já vinha a defender há muitos meses. Governar com as medidas previstas no memorando de entendimento não é a mesma coisa com um governo do PS ou do PSD.
Depois há os outros partidos. O CDS sempre tentou passar pelos pingos da chuva, na tentativa – conseguida, diga-se – de não se comprometer com nada nem ninguém. Como Paulo Portas só quer o poder, aceitaria qualquer acordo. Para o CDS, que andou calado muitas semanas, o chegar ao governo em Portugal é muito mais importante do que como governar Portugal.
Depois resta a extrema-esquerda, uma inutilidade política, que saliva cada vez que ouve as palavras FMI e ajuda externa, mas que foi totalmente incapaz de apresentar uma ideia e de sequer se dignar a reunir com a “troika”, nem que fosse para manifestar os seus pontos de vista.
Como não existiam câmaras de televisão e microfones nas reuniões entre os partidos e a “troika”, qual a razão que levaria Francisco Louçã ou Jerónimo de Sousa a reunir com quem estava a definir o futuro do país nos próximos anos? Nenhuma, terão pensado estes dois líderes de partidos que preferiram a auto-exclusão de todo e qualquer contributo sério para resolver os problemas nacionais. Afinal, os seus slogans de campanha estão definidos desde 1917. É só repeti-los até à exaustão.

 

Mais Artigos

Francisco Coelho Tele… Quê?



Lara Martinho Estabilizar para recuperar



Hernâni Bettencourt Um discurso marcante para uma missão hercúlea



José Ávila Quando falta palco



João Vasco Costa Do fastio



Francisco Coelho Esclarecimento



Carlos Silva Reerguer a Economia Açoriana



José Contente Da Autonomia



> >>

Arquivo Histórico do PS/Açores
PSA TV - Canal YouTube Ps/Açores

 
HomeNotícias | Media Center | Agenda | OpiniãoPartido | Presidente | Grupo Parlamentar ALRAA | Deputados AR | Deputados PE | Documentos | Links | Contactos
 
Sede Regional - Bairro da Vitória - Rua Dr. Armando Narciso, nº 5 – S. José - 9500-185 Ponta Delgada
Partido Socialista Açores © Todos os Direitos Reservados