Página Principal Presidente Presidente Honorário Partido Media Center Contactos Siga-nos!
 

Notícias PS/Açores

Retoma da atividade do Serviço Regional de Saúde está no “bom caminho”, afirma Presidente do Governo


Obra de quatro milhões de euros no Museu Carlos Machado vai proporcionar melhores condições aos visitantes, afirma Vasco Cordeiro


Vasco Cordeiro inaugura projeto-piloto que aposta em novas tecnologias de mobilidade elétrica


Vasco Cordeiro recebe contributos da JS para futuras políticas da educação, emprego, habitação e sustentabilidade


Artigos de Opinião

Hernâni Bettencourt Hernâni Bettencourt
"Mar dos Açores"
2020-08-01
José Contente José Contente
"Mare Nostrum"
2020-07-29
Carlos Silva Carlos Silva
"SATA: sinais encorajadores "
2020-07-29
Sónia Nicolau Sónia Nicolau
"Autonomia que faça costume"
2020-07-29
José San-Bento José San-Bento
"Autonomia por Procuração"
2020-07-28
Mariana Matos Mariana Matos
"Contradições?"
2020-07-26
Francisco Coelho Francisco Coelho
"Gorbachev"
2020-07-25
ESTÁ AQUI:Media Center»Opinião
Berto Messias

Opinião

"De uma vez por todas"

Berto Messias
2011-05-02

 

Para que daqui a dez anos não estejamos a depender do FMI, é preciso lembrar o passado e tirar as respectivas ilações, tendo em conta os vários pontos de contacto que existem entre a crise de 1983/1984 e a actual.
Voltemos, assim, atrás.
Basta ler alguma imprensa da altura e alguns documentos públicos sobre aquele período da história do nosso país para percebermos que Portugal assistia a uma rápida deterioração do desempenho da economia portuguesa em 1980 e 1982. O país chegou a esta situação-limite devido a um forte aumento do défice da administração pública, à deterioração das finanças das empresas públicas, perda de competitividade externa e controles inadequados sobre o endividamento externo. Além disso, a debilidade política do governo dificultou as correcções atempadas das políticas económicas.
Chegados a este ponto, em 1983, o novo governo de coligação PS/PSD anunciou um pacote de medidas de emergência e o começo de negociações com o FMI para apoio financeiro que entre 83 e 84 foi equivalente a 650 milhões de dólares, 3,5 do PIB e quase o dobro do nível das reservas internacionais do país em 1983.
Este acordo, de forma sucinta, implicou aumento de alguns impostos, proibição de novas contratações e moderação salarial, cortes dos investimentos e controles do endividamento, aperto dos tectos ao crédito interno e aumentos das taxas de juro e desvalorização pontual de 13 por cento do escudo em relação às moedas dos principais parceiros comerciais. O programa incluía, também, compromissos do governo para a adopção de medidas de médio prazo para corrigir debilidades estruturais.
Esta foi a receita aplicada a Portugal. Certamente com muitos pontos de contacto com a actualidade.
A questão que se coloca, agora, é se Portugal tem capacidade para estar, em cada década, a recorrer a ajuda externa. Até quando isso será possível? Já são evidentes os sinais na Europa que esta ajuda externa não está a ser bem vista em muitos países, principalmente nos que são contribuintes líquidos da União. Ou seja, os sinais que damos ao exterior não são os melhores. Por isso, Portugal terá de aproveitar, de uma vez por todas, esta ajuda externa para mudar de vida. Poderá não haver outra oportunidade. Pelo menos, na próxima década.
Nesse esforço colectivo, três questões são cruciais:
Havendo eleições a 5 de Junho, os partidos que concorrem têm de ser claros e apresentar, sem subterfúgios e disfarces, as medidas e propostas que têm para o país. Isso deve ser feito de forma séria e responsável, sem promessas de ilusões e sem programas vazios e vagos que tentam disfarçar o que realmente se defende para Portugal;
Os partidos políticos têm de ter a capacidade de criar entendimentos alargados de fundo que, de uma vez por todas, nos permitam “arrumar a casa” e iniciar uma nova fase. A luta político-partidária é importante e crucial para uma democracia com vitalidade. Mas, quando é levada ao extremo ou não é sustentada com propostas concretas que melhorem a vida dos portugueses, transforma-se num diálogo de surdos prejudicial para todos.
É tempo de tolerância zero com a irresponsabilidade. Todos os agentes políticos, nos diversos níveis de poder têm de dar o exemplo nas suas práticas, na forma como gerem os recursos públicos e na despesa pública que permitem. Cada cêntimo gasto tem de ser verdadeiramente bem gasto.
Infelizmente, esse esforço colectivo e a forma como o materializamos já não dependem apenas de nós. Dependem também de uma “Troika”, uma espécie de “Sr. Do Fraque” dos mercados financeiros.

 

Mais Artigos

Hernâni Bettencourt Mar dos Açores



José Contente Mare Nostrum



Carlos Silva SATA: sinais encorajadores



Sónia Nicolau Autonomia que faça costume



José San-Bento Autonomia por Procuração



Mariana Matos Contradições?



Francisco Coelho Gorbachev



Lara Martinho Estado da Nação



> >>

Arquivo Histórico do PS/Açores
PSA TV - Canal YouTube Ps/Açores

 
HomeNotícias | Media Center | Agenda | OpiniãoPartido | Presidente | Grupo Parlamentar ALRAA | Deputados AR | Deputados PE | Documentos | Links | Contactos
 
Sede Regional - Bairro da Vitória - Rua Dr. Armando Narciso, nº 5 – S. José - 9500-185 Ponta Delgada
Partido Socialista Açores © Todos os Direitos Reservados