Página Principal Presidente Presidente Honorário Partido Media Center Contatos Siga-nos!
 

Notícias PS/Açores

Lançamento do concurso público para o Space Port é “passo importante e concreto” num projeto que trará benefícios para Santa Maria e para os Açores


Vasco Cordeiro anuncia criação de mais de 150 novas vagas em lares de idosos


Riqueza produzida na Região aumentou mais cerca de 600 milhões de euros em quatro anos, afirma Vasco Cordeiro


Investimento no Porto do Corvo é exemplo concreto de coesão colocada ao serviço dos Açorianos, garante Presidente do Governo


Artigos de Opinião

Hernâni Bettencourt Hernâni Bettencourt
"O Rio corre sempre para o mar…"
2019-03-25
Lara Martinho Lara Martinho
"PORTUGAL SPACE"
2019-03-25
Francisco Coelho Francisco Coelho
"Círculo de pares"
2019-03-25
José Contente José Contente
"Paroquiais"
2019-03-20
Sónia Nicolau Sónia Nicolau
"Primeiro a chico-espertice, depois a desconsideração"
2019-03-20
Mónica Rocha Mónica Rocha
"CERTIFICAÇÃO E FLUXOS TURÍSTICOS"
2019-03-20
Hernâni Bettencourt Hernâni Bettencourt
"Um futebólogo no meio de politólogos"
2019-03-18
ESTÁ AQUI:Media Center»Opinião
José Contente

Opinião

"A Nossa Universidade"

José Contente
2019-01-11

 

O Instituto Universitário dos Açores criado pelo Decreto 5/76, de 9 de janeiro precedeu o primeiro Governo Regional cuja instauração ocorreu em setembro de 1976. O impulso inicial resultante da Liberdade de abril de 74, deu asas e materializou o sentir e o pensar de várias personalidades que idealizaram o Ensino Superior Universitário. Como sempre a conjugação política entre o então Ministro da Educação - Major Vítor Alves, aluno do General Altino Magalhães- facilitou a pressão da Junta Regional e das elites açorianas da época.
A Universidade dos Açores assumiu a divisa Sicut Aurora Scientia Lucet (literalmente, “assim como uma aurora a ciência brilha”), por proposta do primeiro Reitor Prof José Enes, baseada no livro bíblico Eclesiástico ou Sirácida. Este aspeto marca o espírito construtivo, de cultura, do universalismo e do mundo das ideias subjacente à caminhada inicial da Universidade dos Açores. Foi o tempo das fracas instalações, mas das fortes motivações de Professores e Alunos que superaram dificuldades com a vontade e competência de ensinar e de aprender, respetivamente. O Professor Machado Pires, então Vice-Reitor e depois Reitor, aprofundou a credibilidade e projeção da fase pioneira da Universidade dos Açores. Depois, a disponibilidade de fundos comunitários e a proatividade do Reitor e Professor Vasco Garcia garantiu o grande desenvolvimento das infraestruturas de que a Universidade carecia. Nesta breve súmula, não se pretende nem se está a fazer a história, nem a justiça a todas as dimensões que a Uaç teve desde o seu início. Porém, a Universidade dos Açores teve e terá sempre um papel no reforço da Autonomia através da qualificação da sociedade açoriana. Esta qualificação é um conceito com atributos dos quais destacamos: bom senso, tolerância, espírito crítico e reflexivo, noção da importância da cultura e do conhecimento.

A questão do financiamento é vital. A proposta do Grupo Parlamentar do PS na Assembleia da República para se avaliar os custos das Universidades dos Açores e da Madeira é um primeiro passo.

Porém, a lógica deve ser a mesma que vigora para a Lei de Finanças Regionais. É mais caro viver nos Açores (30% pelo menos) num território descontínuo, com uma pequena sociedade arquipelágica, fortes sentimentos regionais e de ilha. Por isso, impõe-se um financiamento às duas Universidades (Açores e Madeira) que tenham em conta esta realidade.
Mais, nos Açores a tripolaridade ainda acentua mais as necessidades de financiamento. A Universidade constrói-se sempre. “Fazê-la” foi a resposta dada pelo Reitor e Professor Machado Pires a um representante do Banco Mundial, que lhe falou na Universidade mais cara da Europa aquando da sua deslocação à Região, no seguimento do incêndio da Reitoria. Também hoje, parece crucial mobilizar a Região e focar a resolução do problema do financiamento em inteligente e firme negociação política. Noutro espaço defendemos a participação das autarquias açorianas no financiamento da tripolaridade. O esforço não seria significativo se as cidades onde existem os três pólos contribuíssem com 50 mil euros cada e, as restantes com 12500 euros/autarquia. Seriam mais 350 mil euros a adicionar à verba idêntica do Governo dos Açores. Deste modo, como Pólis da responsabilidade pública e social, que potencia o conhecimento na sociedade, a Universidade é vista como Universidade. Esta perspetiva não desresponsabiliza o Estado que precisa assumir as suas responsabilidades financeiras e não impedir uma Universidade ultra-periférica de concorrer a fundos comunitários como as suas congéneres do país.

Esta situação absurda e injustificada cria uma discriminação negativa, contraditória, quando todos defendem o princípio da subsidiariedade junto da Europa! Do Governo dos Açores exige-se pelo menos o mesmo empenhamento financeiro e, nesta fase, redobrado apoio na defesa da Uaç junto do Estado.
De qualquer modo, nada se faz sem financiamento, mas só isso não é suficiente. A mobilização de dentro para fora das organizações, a valorização dos recursos e noção da interdependência entra as ditas Ciências e Humanidades, são alguns fatores que possibilitam gerar e sustentar a credibilidade. A resultante final é a afirmação da Universidade como “elevador social” em termos culturais e de conhecimento.
Os desafios novos não dispensam as ideias fundacionais da Uaç. Utilidade sem utilitarismo e a velha dicotomia anteriana “tolerância sem permissividade e rigor sem intransigência”. Sem escapar alteridade husserliana, podemos afirmar que “ver ao longe para ter razão antes”, estar ligada à revolução do conhecimento e da tecnologia, assumir a dianteira nas áreas da economia emergente, nos domínios da terra, do mar, do espaço e das questões sociais, são exemplos de áreas que sempre carecem de respostas científicas da Uaç.
Hoje, como há 43 anos, a Universidade dos Açores é um símbolo vivo da Autonomia. A frutificação da sua divisa, Sicut Aurora Scientia Lucet, exige determinação e bom senso que contrariem qualquer sentimento de crepúsculo e ainda menos de ocaso. É um imperativo defender com consciência a NOSSA Universidade A bem do futuro dos Açores.

 

Mais Artigos

Hernâni Bettencourt O Rio corre sempre para o mar…



Lara Martinho PORTUGAL SPACE



Francisco Coelho Círculo de pares



José Contente Paroquiais



Sónia Nicolau Primeiro a chico-espertice, depois a desconsideração



Mónica Rocha CERTIFICAÇÃO E FLUXOS TURÍSTICOS



Hernâni Bettencourt Um futebólogo no meio de politólogos



André Bradford Dar Força aos Açores na Europa



> >>

Arquivo Histórico do PS/Açores
PSA TV - Canal YouTube Ps/Açores

 
HomeNotícias | Media Center | Agenda | OpiniãoPartido | Presidente | Grupo Parlamentar ALRAA | Deputados AR | Deputados PE | Documentos | Links | Contactos
 
Sede Regional - Bairro da Vitória - Rua Dr. Armando Narciso, nº 5 – S. José - 9500-185 Ponta Delgada
Partido Socialista Açores © Todos os Direitos Reservados