Página Principal Presidente Presidente Honorário Partido Media Center Contactos Siga-nos!
 

Notícias PS/Açores

Retoma da atividade do Serviço Regional de Saúde está no “bom caminho”, afirma Presidente do Governo


Obra de quatro milhões de euros no Museu Carlos Machado vai proporcionar melhores condições aos visitantes, afirma Vasco Cordeiro


Vasco Cordeiro inaugura projeto-piloto que aposta em novas tecnologias de mobilidade elétrica


Vasco Cordeiro recebe contributos da JS para futuras políticas da educação, emprego, habitação e sustentabilidade


Artigos de Opinião

Hernâni Bettencourt Hernâni Bettencourt
"Mar dos Açores"
2020-08-01
José Contente José Contente
"Mare Nostrum"
2020-07-29
Carlos Silva Carlos Silva
"SATA: sinais encorajadores "
2020-07-29
Sónia Nicolau Sónia Nicolau
"Autonomia que faça costume"
2020-07-29
José San-Bento José San-Bento
"Autonomia por Procuração"
2020-07-28
Mariana Matos Mariana Matos
"Contradições?"
2020-07-26
Francisco Coelho Francisco Coelho
"Gorbachev"
2020-07-25
ESTÁ AQUI:Media Center»Opinião
João Aguiar

Opinião

"Para que o Povo decida"

João Aguiar
2011-04-28

 

No próximo dia 5 de Junho, por acção do PSD de Passos Coelho e de Berta Cabral, os portugueses irão se pronunciar, em eleições antecipadas, acerca do destino do país, numa altura de grave crise política, gerada por aquele partido político.
Entregues as listas à Assembleia da República, é notória a acção dos partidos e dos candidatos que se esforçam no sentido de, por parte de uns, transmitir os seus programas e propostas para vencer a crise e, por parte de outros, a continuação do vazio de ideias e dos ataques ao governo ainda em funções.
Enquanto José Sócrates e o Partido Socialista já procederam à apresentação pública de um programa perfeitamente delineado, assente na realidade do país e com propostas credíveis e exequíveis, Passos Coelho e os seus acólitos, que há meses reclamam novas políticas para Portugal, ainda não foram capazes de dizer o que efectivamente pretenderiam levar a cabo se o povo português lhes concedesse o estatuto de partido mais votado, uma vez que uma maioria absoluta não é credível até aos olhos do militante laranja mais indefectível.
Para que o povo possa decidir em plena consciência, há que esclarecer de forma clara o que os partidos pensam acerca de questões que nos são tão caras como, por exemplo, se o Serviço Nacional de Saúde dever-se-á manter e oferecer serviços de qualidade de uma forma tendencialmente gratuita. Ou será que a saúde deverá ser entregue aos privados? O mesmo se poderá questionar em relação ao ensino. O ensino obrigatório dever-se-á manter gratuito ou entregue aos privados? As universidades devem continuar a ser apoiadas pelo erário público, ou entregues à iniciativa privada?
Queremos que a Caixa Geral de Depósitos seja privatizada? Queremos que se abandone o investimento público e se entregue tudo aos interesses dos grandes grupos económicos?
Entre muitas outras, nessas diferenças se podem posicionar os dois maiores partidos portugueses. Enquanto o Partido Socialista defende o Serviço Nacional de Saúde, o Ensino Público e o investimento do Estado como factor de desenvolvimento, o PSD de Passos Coelho pretende implementar uma política neo-liberal, entregando por qualquer preço aos privados aquilo que nos é mais caro, ou seja a saúde e a educação e retirando a intervenção do Estado em sectores fulcrais da economia.
A 5 de Junho teremos de decidir se pretendemos continuar a ter um Estado Social que a todos protege e, de uma forma mais acentuada os cidadãos menos favorecidos, ou se queremos caminhar rumo a uma vivência de concorrência absoluta que não olha a meios para atingir as metas do lucro e da obtenção de capital.
Esperamos que a campanha eleitoral que se avizinha seja uma oportunidade para esclarecer os cidadãos e que constitua um momento de verdade e de coerência com a situação que o país atravessa.
O Partido Socialista dos Açores já anunciou que irá reduzir em mais de 50% os custos da campanha e irá privilegiar o contacto directo com os cidadãos em detrimento do tradicional material normalmente utilizado, prescindindo do recurso a publicidade em “outdoors”, o que permitirá uma significativa redução de custos.
Oxalá os restantes partidos concorrentes sigam o exemplo dos socialistas e dêm especial atenção à transmissão de ideias e de medidas a propor e evitem gastos desnecessários que não se coadunam com a nossa situação económica.
A finalizar e a propósito, vejam-se os gastos do PSD em “outdoors” colocados há meses nas principais artérias, os quais mudaram de localização há pouco, e transmitem o indisfarçável pavor dos laranjas face a uma eventual candidatura de Carlos César às eleições regionais de 2012. Pelos vistos, os ditos cartazes pagarão aluguer de espaço por dezenas de meses e de nada valerão.
À falta de ideias e propostas investem em milionários cartazes!


 

Mais Artigos

Hernâni Bettencourt Mar dos Açores



José Contente Mare Nostrum



Carlos Silva SATA: sinais encorajadores



Sónia Nicolau Autonomia que faça costume



José San-Bento Autonomia por Procuração



Mariana Matos Contradições?



Francisco Coelho Gorbachev



Lara Martinho Estado da Nação



> >>

Arquivo Histórico do PS/Açores
PSA TV - Canal YouTube Ps/Açores

 
HomeNotícias | Media Center | Agenda | OpiniãoPartido | Presidente | Grupo Parlamentar ALRAA | Deputados AR | Deputados PE | Documentos | Links | Contactos
 
Sede Regional - Bairro da Vitória - Rua Dr. Armando Narciso, nº 5 – S. José - 9500-185 Ponta Delgada
Partido Socialista Açores © Todos os Direitos Reservados