Página Principal Presidente Presidente Honorário Partido Media Center Contactos Siga-nos!
 

Notícias PS/Açores

Retoma da atividade do Serviço Regional de Saúde está no “bom caminho”, afirma Presidente do Governo


Obra de quatro milhões de euros no Museu Carlos Machado vai proporcionar melhores condições aos visitantes, afirma Vasco Cordeiro


Vasco Cordeiro inaugura projeto-piloto que aposta em novas tecnologias de mobilidade elétrica


Vasco Cordeiro recebe contributos da JS para futuras políticas da educação, emprego, habitação e sustentabilidade


Artigos de Opinião

Hernâni Bettencourt Hernâni Bettencourt
"Mar dos Açores"
2020-08-01
José Contente José Contente
"Mare Nostrum"
2020-07-29
Carlos Silva Carlos Silva
"SATA: sinais encorajadores "
2020-07-29
Sónia Nicolau Sónia Nicolau
"Autonomia que faça costume"
2020-07-29
José San-Bento José San-Bento
"Autonomia por Procuração"
2020-07-28
Mariana Matos Mariana Matos
"Contradições?"
2020-07-26
Francisco Coelho Francisco Coelho
"Gorbachev"
2020-07-25
ESTÁ AQUI:Media Center»Opinião
Berto Messias

Opinião

"Portugal não é uma folha de excel"

Berto Messias
2011-04-27

 

Neste momento crítico da vida nacional, em que a esperança de um povo está de rastos, é importante celebrar o 25 de Abril de 1974. Esta data deve ser o exemplo que Portugal consegue ultrapassar as dificuldades, contando com os portugueses, com a resistência de um povo que, quando motivado, é imparável.
Quarenta e oito anos de ditadura caíram numa madrugada como um baralho de cartas, devido a um punhado de capitães que viram em Portugal mais do que um regime ditatorial e uma guerra sem explicação.
O 25 de Abril prova, assim, que é possível a Portugal ultrapassar obstáculos, à primeira vista, inultrapassáveis. Este deve ser o exemplo motivador que o país precisa neste momento de angústia provocada por uma chamada “troika” que, em silêncio e fechada em gabinetes de Lisboa, está a definir o nosso futuro próximo.
É por isso que Paul Thomsen, o “senhor FMI” em Portugal, deveria perceber que a “Revolução dos Cravos” fez com que o nosso país seja, hoje, muito mais do que défices, taxas de juro, agências de rating, dívidas soberanas, prazos de maturidade e cortes de despesa. Deveria perceber que este país, quando quer, bem liderado e motivado, é também esperança, democracia e liberdade de um povo que mudou um regime quase sem sangue.
Paul Thomsen, que encabeça a “troika”, tem de perceber que existe uma geração que já nasceu e vive em democracia porque a geração antes dela não se resignou e lutou para mudar um país sujeito a um regime muito mais persistente e gravoso do que a actual ditadura dos mercados e dos ratings.
O “senhor FMI” não pode esquecer, quando estiver a definir o nosso futuro nos gabinetes de Lisboa, que existe uma geração que enfrentou uma ditadura, que derrotou uma polícia política sinistra e que acabou com uma guerra não por si, mas sim pelos seus filhos e netos.
Filhos e netos que serão, hoje, as novas vítimas da nova ditadura dos mercados e das agências. Uma ditadura sem rostos, o que torna muito mais difícil o combate.
O senhor Paul Thomsen, quando estiver a definir o nosso futuro na folha de Excel do FMI, vai ter de perceber que, numa madrugada, voltamos a ser Portugal democrático e que resistimos à mais velha ditadura da Europa. Esta é, também, a folha de serviço recente do nosso país.
A data que hoje se comemora terá de ser um alerta para o senhor Paul Thomsen: Não é aceitável que uma “troika” atire para a lama todos os direitos sociais adquiridos por Portugal após o 25 de Abril de 1974. Não é aceitável que renegue à memória de um país que sempre foi muito mais do que números. Não é aceitável que faça tábua rasa da luta de uma geração inteira de portugueses que devolveu a democracia a um país.
Um economista não tem de saber História. Mas não há economia sem povo. Portugal está preparado para os inevitáveis cortes que se avizinham, mas não está preparado que lhe tirem a esperança devolvida em 1974.
Paul Thomsen deveria, antes de fechar a sua folha de Excel numa gabinete de Lisboa, ler o poema de Manuel Alegre:
“Foram dias foram anos a esperar por um só dia.
Alegrias. Desenganos. Foi o tempo que doía
com seus riscos e seus danos. Foi a noite e foi o dia
na esperança de um só dia”.


 

Mais Artigos

Hernâni Bettencourt Mar dos Açores



José Contente Mare Nostrum



Carlos Silva SATA: sinais encorajadores



Sónia Nicolau Autonomia que faça costume



José San-Bento Autonomia por Procuração



Mariana Matos Contradições?



Francisco Coelho Gorbachev



Lara Martinho Estado da Nação



> >>

Arquivo Histórico do PS/Açores
PSA TV - Canal YouTube Ps/Açores

 
HomeNotícias | Media Center | Agenda | OpiniãoPartido | Presidente | Grupo Parlamentar ALRAA | Deputados AR | Deputados PE | Documentos | Links | Contactos
 
Sede Regional - Bairro da Vitória - Rua Dr. Armando Narciso, nº 5 – S. José - 9500-185 Ponta Delgada
Partido Socialista Açores © Todos os Direitos Reservados