Página Principal Presidente Presidente Honorário Partido Media Center Contatos Siga-nos!
 

Notícias PS/Açores

Encontro com a Câmara do Comércio e Indústria dos Açores foi “bastante útil e proveitoso”, afirma Vasco Cordeiro


Vasco Cordeiro apresenta à Assembleia da República “posição açoriana” sobre os próximos fundos comunitários


Presidente do Governo recebeu a Associação Portuguesa das Agências de Viagens e Turismo


Vasco Cordeiro destaca impacto para as Flores de obras nas áreas da Educação, Saúde e Transportes Marítimos


Artigos de Opinião

José Contente José Contente
"Prole trumpista"
2018-10-10
Mónica Rocha Mónica Rocha
"Preparar o futuro hoje"
2018-10-10
Sónia Nicolau Sónia Nicolau
"Mente mais do que fala"
2018-10-04
Lara Martinho Lara Martinho
"Por nós as pessoas"
2018-09-29
José Contente José Contente
"Melan(cólicas)"
2018-09-26
Sónia Nicolau Sónia Nicolau
"Notas Parlamentares"
2018-09-26
André Bradford André Bradford
"Pelos Açores, com os Açorianos"
2018-09-21
ESTÁ AQUI:Media Center»Opinião
Mónica Rocha

Opinião

"Preparar o futuro hoje"

Mónica Rocha
2018-10-10

 

Foram dias de muita seca e, agora, de muita chuva.
Este verão, apesar de considerado atípico, tenderá a repetir-se, e creio que as alterações climáticas vieram para ficar. É tempo de agir e de preparar o futuro com perseverança, espírito de mudança e adaptação a novos desafios, mas também com muito potencial.
Esta temática não é exclusiva da Região ou do Governo dos Açores. Prova disso são as sucessivas cimeiras mundiais que a assumem como urgente nos seus planos de ação e na sua agenda política. E por cá não é diferente. Logo, é tempo de reunir esforços para mitigar estes novos cenários e circunstâncias. E se a nossa agricultura é um dos principais pilares da nossa economia, também é verdade que será esta a que mais padecerá no futuro e, como tal, exige um contínuo investimento e apoio.
Ao longo dos anos, passámos de zero explorações com disponibilidade deste recurso para 2600 em 2007, 3600 em 2018, e hoje temos 523 Km de redes de abastecimento de água, 151 reservatórios, seis lagoas artificiais e seis furos com uma capacidade de armazenamento de perto de 500 mil m3. Tudo isto é prova de um crescente e relevante investimento nesta matéria. Contudo, é e será necessário um reforço desta medida, replicando-se os bons exemplos do Faial e Terceira nas outras ilhas, consolidando o que foi realizado, adaptando novos investimentos às necessidades específicas e criando um plano de ação por ilha.
No cenário preocupante deste verão, o Governo procurou implementar soluções que contornassem desafios burocráticos, para assim agir de imediato, tendo em conta que era fundamental compensar as perdas. Através de uma política de proximidade e diálogo constante, conseguiu-se a criação de um plano de ação colaborativo, com a alocação de 1,2 milhões de euros para a medida de apoio à compra de fatores de produção aliados à alimentação animal, a disponibilização de uma linha de apoio orientada para as perdas diretas na produção do milho, de hortícolas e tabaco e, espera-se, de frutícolas. Importa também referir que serão alocados 1,5 milhões para comparticipar a instalação de reservatórios e lagoas artificiais nas explorações dos produtores.
Muito foi feito, mas muito mais há a fazer. Em cima da mesa está um conjunto de documentos que consubstanciam uma ação integrada e fundamentada para um futuro próximo, como o Plano regional para as alterações climática e o relatório do setor da Agricultura e Florestas, que evidencia as principais preocupações e linhas de ação dos diferentes setores em matéria de seca, precipitação excessiva, qualidade das águas, disponibilidade, etc.
Temos também os contributos para a PAC pós 2020, que realçam a necessidade de orientar cada vez mais todos os setores para uma melhor gestão e aproveitamento dos recursos naturais, para a implementação de culturas e produtos direcionados para métodos de produção mais amigos do Ambiente. Propõe igualmente que se alterem algumas práticas produtivas, como o cultivo mais tardio do milho, a diminuição dos efetivos ou uma melhor gestão dos fatores de produção externos e internos.
Há que veicular a aposta no crescimento dos setores na vertente da qualidade e não quantidade, para que se possa conquistar mais valor e devolver o justo rendimento.
Há que destacar o potencial que cada produtor tem nas suas explorações para o conceito de multifuncionalidade agrícola, que diminui a dependência ou sujeição a fatores alheios, como a seca, e acrescenta mais rendimento em atividades complementares, como o agroturismo, etc.
Há que considerar a possibilidade de haver uma gestão integrada das águas da Região.
Em suma, este é um debate que nos deve unir na construção de uns Açores cada vez mais sustentáveis, de uma agricultura robusta e promissora. Da minha e da nossa parte, cá estaremos para orientar e informar, cá estaremos para alertar para a necessidade de gerir melhor as redes de água, de sensibilizar a população em geral e o setor agrícola em especial para o desperdício e boa gestão deste bem precioso. Este sim é um debate construtivo e útil. Isto sim é ir ao limite dos nossos recursos para defender os interesses da Agricultura Açoriana, e é isso que nos move.
A todos, bem hajam.

 

Mais Artigos

José Contente Prole trumpista



Mónica Rocha Preparar o futuro hoje



Sónia Nicolau Mente mais do que fala



Lara Martinho Por nós as pessoas



José Contente Melan(cólicas)



Sónia Nicolau Notas Parlamentares



André Bradford Pelos Açores, com os Açorianos



Lara Martinho O QUE MUDOU DESDE 2015



> >>

Arquivo Histórico do PS/Açores
PSA TV - Canal YouTube Ps/Açores

 
HomeNotícias | Media Center | Agenda | OpiniãoPartido | Presidente | Grupo Parlamentar ALRAA | Deputados AR | Deputados PE | Documentos | Links | Contactos
 
Sede Regional - Bairro da Vitória - Rua Dr. Armando Narciso, nº 5 – S. José - 9500-185 Ponta Delgada
Partido Socialista Açores © Todos os Direitos Reservados