Página Principal Presidente Presidente Honorário Partido Media Center Contactos Siga-nos!
 

Notícias PS/Açores

Presidente do Governo recebeu Ministro do Mar


Centro Interpretativo da Agricultura dá a conhecer setor que afirma a Região no exterior, afirma Vasco Cordeiro


Presidente do Governo anuncia disponibilização de 75 habitações na Ribeira Grande e Vila Franca do Campo


Retoma da atividade do Serviço Regional de Saúde está no “bom caminho”, afirma Presidente do Governo


Artigos de Opinião

José San-Bento José San-Bento
"Vitória Histórica"
2020-08-03
Hernâni Bettencourt Hernâni Bettencourt
"Mar dos Açores"
2020-08-01
José Contente José Contente
"Mare Nostrum"
2020-07-29
Carlos Silva Carlos Silva
"SATA: sinais encorajadores "
2020-07-29
Sónia Nicolau Sónia Nicolau
"Autonomia que faça costume"
2020-07-29
José San-Bento José San-Bento
"Autonomia por Procuração"
2020-07-28
Mariana Matos Mariana Matos
"Contradições?"
2020-07-26
ESTÁ AQUI:Media Center»Opinião
Cláudia Cardoso

Opinião

"Sem nobreza"

Cláudia Cardoso
2011-04-22

 

O facto de Fernando Nobre ter aceitado ser cabeça de lista por Lisboa nas listas do PSD tem feito correr muita tinta. Os argumentos sucedem-se na defesa ou na condenação da atitude. Mas o que daqui releva são sobretudo dois factos incontornáveis. O primeiro o de que Fernando Nobre se apresentou às eleições para a Presidência da República como independente e supra-partidário. E sobretudo por isso conseguiu congregar o apoio de um número significativo de portugueses que se revêem nas “candidaturas da cidadania”, à semelhança aliás do que acontecera com Manuel Alegre. O cidadão julga censurar por esta via os partidos. E dá sustentação à conversa tipificada de que os partidos são uma espécie de agremiação de maus costumes. O segundo facto é que este anúncio sendo mau para Nobre é péssimo para o PSD. Muito contestado internamente, Nobre não tem um perfil que encaixe no partido que o acolhe. E cujo programa eleitoral desconhece. Fê-lo nas suas palavras porque era o que lhe dava “mais garantias”. Trai o seu eleitorado efémero que não se transferirá para o PSD e arrasa o capital acumulado. Sobretudo quando assumiu que só cumpre o mandato se for Presidente da Assembleia da República, e não como deputado. Ou seja, a condição prévia de Fernando Nobre não se coloca apenas ao PSD que o candidata, mas a todos os deputados que ainda não eleitos ele já destina que o devem eleger a ele. Este requisito prévio é no mínimo estranho. E assume que apesar de se candidatar a deputado não quer ser aquilo a que se candidata. Este é um mau princípio. E arrasa o candidato e a candidatura. Parece que afinal Fernando Nobre tem um propósito bem definido. O PSD é apenas o trampolim. Não tendo podido ser Presidente da República Nobre tem uma nova ambição. Que se esforça denodadamente por cumprir. Mas o que pode isso interessar a quem eventualmente o queira eleger?

 

Mais Artigos

José San-Bento Vitória Histórica



Hernâni Bettencourt Mar dos Açores



José Contente Mare Nostrum



Carlos Silva SATA: sinais encorajadores



Sónia Nicolau Autonomia que faça costume



José San-Bento Autonomia por Procuração



Mariana Matos Contradições?



Francisco Coelho Gorbachev



> >>

Arquivo Histórico do PS/Açores
PSA TV - Canal YouTube Ps/Açores

 
HomeNotícias | Media Center | Agenda | OpiniãoPartido | Presidente | Grupo Parlamentar ALRAA | Deputados AR | Deputados PE | Documentos | Links | Contactos
 
Sede Regional - Bairro da Vitória - Rua Dr. Armando Narciso, nº 5 – S. José - 9500-185 Ponta Delgada
Partido Socialista Açores © Todos os Direitos Reservados