Página Principal Presidente Presidente Honorário Partido Media Center Contatos Siga-nos!
 

Notícias PS/Açores

Presidente do Governo anuncia programa para formar novas amas


INE confirma estabilidade financeira dos Açores e ainda maior equilíbrio das contas públicas


XVII Congresso: Vasco Cordeiro anuncia várias novas medidas para responder aos desafios que se colocam aos Açorianos


Mineração do mar profundo tem impactos ambientais, afirma Serrão Santos


Artigos de Opinião

José Contente José Contente
"Melan(cólicas)"
2018-09-26
Sónia Nicolau Sónia Nicolau
"Notas Parlamentares"
2018-09-26
André Bradford André Bradford
"Pelos Açores, com os Açorianos"
2018-09-21
Lara Martinho Lara Martinho
"O QUE MUDOU DESDE 2015"
2018-09-15
Sónia Nicolau Sónia Nicolau
"Servir os Açorianos é apresentar soluções"
2018-09-19
Sónia Nicolau Sónia Nicolau
"Uma moção: a quem incomoda? a quem conforta?"
2018-09-14
José Contente José Contente
"Autorreformas"
2018-09-12
ESTÁ AQUI:Media Center»Opinião
Ricardo Serrão Santos

Opinião

"PAC e Coesão Reposicionar a Comissão Europeia"

Ricardo Serrão Santos
2018-05-04

 

Os anunciados cortes na política de coesão e na política agrícola comum não são boas noticias para Portugal mas são, acima de tudo, más noticias para o projeto europeu. A Comissão Europeia, pelo menos até agora, não demonstrou ter a elasticidade suficiente para promover a convergência necessária à ultrapassagem dos desafios que temos pela frente. Até ver capitulou. Mas ainda há muito caminho a percorrer, estamos numa fase relativamente embrionária de definição do enquadramento financeiro futuro. Tanto assim é que a confusão ainda é grande quanto à amplitude dos cortes na agricultura, mas o que é certo é que os há.
A imprensa nacional e internacional, tem reproduzido os números ventilados pela Comissão Europeia, que foram elaborados a partir de uma base de cálculo que transparece que os cortes são mais brandos do que o são de facto.
É que dependendo da fonte, da intenção e das bases de cálculo, os cortes na Política Agrícola Comum (PAC) oscilam entre 5% e os 16% no final do próximo período financeiro em 2021, com, no caso deste último cenário, um corte menos pronunciado nos pagamentos diretos (cerca de 11%) em detrimento do desenvolvimento rural (cerca de 25%). É difícil entender como é possível atender a uma maior ambição ambiental e responder a maiores riscos de crise, que trazem custos de transição para os agricultores, com este tipo de orçamento.
Relativamente à coesão, a CE avança com um corte de 7%. E assenta este corte na premissa de que o Produto Nacional Bruto dos países de leste tem vindo a recuperar, para defender que as necessidades são menores em termos de políticas de coesão. A Comissão não teve pudor em talhar a alavanca financeira desta área de política que é basilar do projeto europeu.
A verdade é que a Comissão Europeia não hesita em defender-se e transferir a responsabilidade dos cortes para os Estados-membros, acusando-os de não quererem aumentar as suas contribuições nacionais. Há países contribuintes líquidos para orçamento europeu que não veem esta hipótese com bons olhos.
Este exercício da Comissão Europeia é quase puramente contabilístico, esquece a componente política que é, refira-se, a génese da União Europeia nos tempos que correm. Como todos sabemos, a União atravessa um momento político complexo, fruto do Brexit e do ressurgimento de movimentos radicais anti europeus em alguns Estados Membros. E a reação ao invés de ser mais coesão e mais Europa parece ser um pouco como a da avestruz, neste caso particular enfiando a cabeça nos números. Os responsáveis políticos, não podem deixar-se cair na tentação de enveredar pela lógica do mercador esquecendo-se de dar conteúdo às políticas e concentrar-nos em definir os seus objetivos. Antes de nos perdermos em discussões puramente matemáticas devemos tal como tenho defendido, na esteira de Costa e Macron, procurar novas soluções para assegurar novas fontes de financiamento para o orçamento europeu. Tendo a Comissão tomado a sua posição, que foi como vimos restritiva, cabe agora ao Parlamento Europeu e ao Conselho de Ministros trazer a política de volta ao debate orçamental. Voltar a colocar a defesa dos interesses dos cidadãos europeus no centro do projeto europeu.

 

Mais Artigos

José Contente Melan(cólicas)



Sónia Nicolau Notas Parlamentares



André Bradford Pelos Açores, com os Açorianos



Lara Martinho O QUE MUDOU DESDE 2015



Sónia Nicolau Servir os Açorianos é apresentar soluções



Sónia Nicolau Uma moção: a quem incomoda? a quem conforta?



José Contente Autorreformas



Lara Martinho Terceira com boas notícias



> >>

Arquivo Histórico do PS/Açores
PSA TV - Canal YouTube Ps/Açores

 
HomeNotícias | Media Center | Agenda | OpiniãoPartido | Presidente | Grupo Parlamentar ALRAA | Deputados AR | Deputados PE | Documentos | Links | Contactos
 
Sede Regional - Bairro da Vitória - Rua Dr. Armando Narciso, nº 5 – S. José - 9500-185 Ponta Delgada
Partido Socialista Açores © Todos os Direitos Reservados