Página Principal Presidente Presidente Honorário Partido Media Center Contatos Siga-nos!
 

Notícias PS/Açores

André Bradford defende que os interesses corporativos não se podem sobrepor ao bem-comum


Arranque da aquacultura offshore "abre novos horizontes" para a rentabilidade do Mar, afirma Vasco Cordeiro


Famílias e empresas são a razão de ser do Plano e Orçamento para 2018, afirma Vasco Cordeiro


Orçamento para 2018 marca início de novo ciclo de desenvolvimento nos Açores


Artigos de Opinião

Dionísio Faria e Maia Dionísio Faria e Maia
"Quando o senso comum não é comum"
2017-11-17
Lara Martinho Lara Martinho
"Açores na especialidade"
2017-11-11
Ricardo Serrão Santos Ricardo Serrão Santos
"Estratégia Europeia contra o lixo"
2017-11-10
Dionísio Faria e Maia Dionísio Faria e Maia
"Parabéns, Horta!"
2017-11-10
Sónia Nicolau Sónia Nicolau
"Um paradigma novo a ser construído"
2017-11-08
Lara Martinho Lara Martinho
"PSD desiste de exigir descontaminação aos EUA"
2017-11-06
Dionísio Faria e Maia Dionísio Faria e Maia
"Como, logo subsisto?"
2017-11-03
ESTÁ AQUI:Media Center»Opinião
André Bradford

Opinião

"Liberdade de expressão"

André Bradford
2017-07-14

 

I. De entre todas as acusações de que tem sido alvo o Partido Socialista, o seu Governo e os seus deputados, por causa do caso “USIP”, a mais recente prende-se com a liberdade de expressão. Sobre este tema, há algo que é preciso refletir: A liberdade de expressão é essencial à democracia – essencial e completamente basilar para a saúde das democracias! Mas também é verdade que qualquer Código Penal considera que esse direito não é absoluto e determina que a utilização abusiva desse direito faz incorrer na prática de um conjunto de crimes. Isso significa que, prezando nós como valor fundamental da democracia a liberdade de expressão, temos também a absoluta consciência de que esse direito não pode ser exercido só porque sim e na latitude que cada um quer, só porque quer, quando o que está também em causa é o respeito pela honra do outro. E o Código Penal não deixa dúvidas. O Código Penal prevê crimes contra a honra, derivados do abuso da liberdade de expressão, como são os casos da difamação, da injúria e da calúnia. Portanto, se o Código Penal de um Estado de Direito democrático prevê crimes por abuso de liberdade de expressão, isso significa que sendo esse direito basilar, pode ser bem usado ou mal-usado. Isso pode acontecer a qualquer um e, quando acontece existe um sistema judicial, para que aquele que sente a sua honra lesada possa exercer a sua defesa. Sobre isso não há nada que possa justificar as acusações de tirania e de fascismo que nos foram dirigidas, por causa de uma decisão individual de defesa da honra de um deputado do Grupo Parlamentar do Partido Socialista, que sentiu vítima de acusações infundadas.

II. Sobre este assunto recordo um episódio em que fui protagonista de um aparte regimental, quando era membro do Governo Regional, em que me dirigi à bancada do PSD classificando o seu comportamento de “colaboracionismo”. Como alguém me disse do outro lado que não tinha percebido o meu aparte, respondi: Não sabe o que é colaboracionista? É ser amigo dos nazis. Foi isso que eu disse. Nessa altura, os trabalhos foram suspensos e realizou-se uma conferência de líderes especial imediata, de duas horas e meia. Quando regressei ao plenário, tive de pedir desculpa por ter utilizado e referido esse termo. Agora, chama-se “tiranos” e “fascistas” à bancada do PS Açores, sem qualquer reserva e sem que seja exigido o devido retratamento. A margem da liberdade de expressão que o PS agora concedeu, e com a qual consegue conviver, é muito maior do que a margem de liberdade de expressão que alguns me concederam há alguns anos atrás – os mesmos que agora não toleram que alguém que foi acusado se possa defender.

III. Felizmente, o sistema democrático e autonómico funciona com todo respeito pela liberdade de expressão. Nós não nos revemos nem nas acusações, nem nos termos utilizados pelo voto de protesto do PPM no plenário desta semana e cremos que se tratou apenas de uma forma artificial de prolongar um debate que, infelizmente, já ganhou dimensões que nos deviam fazer pensar, parar para pensar, em vez de fomentar ou permitir um contínuo aproveitamento político-partidário. Vamos parar um bocadinho para pensar, em vez de continuar a alimentar desta maneira um processo que em nada dignifica a missão que nos foi atribuída pelo povo açoriano, a quem devemos todo o respeito e empenho na defesa do interesse e bem-comum.
O Partido Socialista dos Açores, através do seu Governo e do seu Grupo Parlamentar, já deixou claro que será intransigente na defesa de uma gestão rigorosa e ética dos nomeados para funções públicas. Os ataques de que somos alvo não nos farão recuar nessa intransigência perante quem se procura beneficiar, em prejuízo dos outros.

 

Mais Artigos

Dionísio Faria e Maia Quando o senso comum não é comum



Lara Martinho Açores na especialidade



Ricardo Serrão Santos Estratégia Europeia contra o lixo



Dionísio Faria e Maia Parabéns, Horta!



Sónia Nicolau Um paradigma novo a ser construído



Lara Martinho PSD desiste de exigir descontaminação aos EUA



Dionísio Faria e Maia Como, logo subsisto?



Sónia Nicolau Uma semana para recordar e registar



> >>

Arquivo Histórico do PS/Açores
PSA TV - Canal YouTube Ps/Açores

 
HomeNotícias | Media Center | Agenda | OpiniãoPartido | Presidente | Grupo Parlamentar ALRAA | Deputados AR | Deputados PE | Documentos | Links | Contactos
 
Sede Regional - Bairro da Vitória - Rua Dr. Armando Narciso, nº 5 – S. José - 9500-185 Ponta Delgada
Partido Socialista Açores © Todos os Direitos Reservados