Página Principal Presidente Presidente Honorário Partido Media Center Contactos Siga-nos!
 

Notícias PS/Açores

Boa capacidade de execução tem de ter “expressão prática” nas negociações dos próximos fundos comunitários, afirma Vasco Cordeiro


Presidente do Governo escolhido para candidato do PSE à Presidência do Comité das Regiões


Governo assume compromisso de tudo fazer para que a SATA sirva cada vez melhor os Açores e os Açorianos, afirma Vasco Cordeiro


Isabel Rodrigues defende equilíbrio na condicionalidade ambiental para acesso aos fundos comunitários


Artigos de Opinião

Francisco Coelho Francisco Coelho
"E-moções"
2019-12-07
Hernâni Bettencourt Hernâni Bettencourt
"Movimento de cidadãos, dizem eles"
2019-12-07
Sónia Nicolau Sónia Nicolau
"Um Orçamento para 2020 que no papel promete e que a realidade confirmará"
2019-12-04
Francisco Coelho Francisco Coelho
"Nobres ritos"
2019-12-01
Lara Martinho Lara Martinho
"Pensões"
2019-12-01
Hernâni Bettencourt Hernâni Bettencourt
"Orçamento 2020: Todos (os que querem) contam!"
2019-12-01
Sónia Nicolau Sónia Nicolau
"“Silicon Valley”"
2019-12-01
ESTÁ AQUI:Media Center»Opinião
Cláudia Cardoso

Opinião

"A ferro e fogo"

Cláudia Cardoso
2011-03-25

 

A situação do país agravou-se da noite para o dia. A demissão de José Sócrates criou uma instabilidade galopante difícil de travar. Aquilo a que ontem assistimos na Assembleia da República, com todos os partidos da oposição a votarem contra o PEC IV, foi o retrato mais fiel do descalabro. Nenhum partido, para além do PS, foi capaz de responsavelmente optar pelo diálogo e pela concertação em nome da estabilidade do país. Preferiram todos o quanto pior melhor. E mais. De entre eles houve até quem não se dignasse a apresentar propostas alternativas ao caminho traçado pelo PEC IV. Desta nebulosa conjuntura não haveria outra saída que não a demissão. Foi o que Sócrates fez, no reconhecimento de que não tinha as condições mínimas para continuar a governar. O que revela também da parte do PS maturidade democrática e desapego do poder. E o que demonstra à saciedade quem são os partidos da oposição. Irresponsáveis, sôfregos de regressarem ao poder, dispostos a prescindir do interesse do país em nome dos seus interesses partidários. Os meses que se aproximam serão muito difíceis. Os outros países da União Europeia olham com desconfiança para Portugal, os juros da dívida pública soberana dispararam desde ontem. E a verdade é que esta circunstância significa que os partidos da oposição, por razões diferentes, escolheram o caminho do caos. Preferiram o descalabro. A desagregação de Portugal. Preferiram fragilizar o país e propiciar a vinda da ajuda externa. Que oposição é esta que irresponsavelmente prefere que outros resolvam os nossos problemas em vez de sermos capazes de os fazer pelas nossas mãos? O futuro não augura nada de bom. A oposição abriu a cova final à espera de enterrar José Sócrates. Mas acabou por enterrar Portugal. É este o drama. É que a oposição que hoje faz isto é a que diz ter condições para governar Portugal. Depois destes episódios degradantes quem ainda consegue acreditar nisto?

 

Mais Artigos

Francisco Coelho E-moções



Hernâni Bettencourt Movimento de cidadãos, dizem eles



Sónia Nicolau Um Orçamento para 2020 que no papel promete e que a realidade confirmará



Francisco Coelho Nobres ritos



Lara Martinho Pensões



Hernâni Bettencourt Orçamento 2020: Todos (os que querem) contam!



Sónia Nicolau “Silicon Valley”



José Contente Pobreza(s)



> >>

Arquivo Histórico do PS/Açores
PSA TV - Canal YouTube Ps/Açores

 
HomeNotícias | Media Center | Agenda | OpiniãoPartido | Presidente | Grupo Parlamentar ALRAA | Deputados AR | Deputados PE | Documentos | Links | Contactos
 
Sede Regional - Bairro da Vitória - Rua Dr. Armando Narciso, nº 5 – S. José - 9500-185 Ponta Delgada
Partido Socialista Açores © Todos os Direitos Reservados