Página Principal Presidente Presidente Honorário Partido Media Center Contactos Siga-nos!
 

Notícias PS/Açores

Vasco Cordeiro desafia partidos a debater Reforma do Poder Local


Vasco Cordeiro lembra que proposta sobre gestão do Mar mereceu unanimidade no Parlamento dos Açores


Governo assume compromisso de tudo fazer para que a SATA sirva cada vez melhor os Açores e os Açorianos, afirma Vasco Cordeiro


Proposta do Bloco de Esquerda “é um enorme retrocesso” para a construção da nova cadeia de São Miguel


Artigos de Opinião

Francisco Coelho Francisco Coelho
"Acordos"
2020-01-19
Lara Martinho Lara Martinho
"OS DEBATES E AS REIVINDICAÇÕES AÇORIANAS"
2020-01-19
Sónia Nicolau Sónia Nicolau
"Normalidade com o porto das Flores destruído?"
2020-01-17
José Contente José Contente
"Demo ou dema?"
2020-01-15
Mário Tomé Mário Tomé
"Plano para 2020 reflete confiança que vive a Economia do Pico"
2020-01-15
Emanuel Furtado Emanuel Furtado
"Política e afins – O abastecimento às Flores"
2020-01-15
Francisco Coelho Francisco Coelho
"Povo…"
2020-01-12
ESTÁ AQUI:Media Center»Opinião
Francisco César

Opinião

"Este país não é para rapazes "

Francisco César
2010-09-26

 

Basta ligar uma televisão ou a rádio para perceber a balbúrdia que se passa no país. A total falta de confiança nas instituições internacionais e nacionais que analisam e divulgam indicadores económicos sobre o nosso país, associados à tremenda irresponsabilidade verbal do nosso Governo, oposição parlamentar e comunicação social pode deixar o nosso país a beira da catástrofe económica e social.

Uma das primeiras coisas que se aprendi em Economia, é que os agentes económicos para poderem fazer uma escolha racional necessitam deter informação em qualidade ou em quantidade suficiente para o mercado verdadeiramente funcionar. Ora em Portugal reina, actualmente, um autêntico caos na gestão da informação económica. Não sabemos verdadeiramente, qual o nível dos prejuízos das empresas públicas, qual o nível de endividamento das autarquias e das suas empresas municipais e quais são as verdadeiras necessidades de financiamento externo para executar o Orçamento de Estado de 2010 dentro das metas impostas pela União Europeia.

Na última semana, assistimos a um conjunto de notícias sobre a economia portuguesa, que pode deixar, o mais calmo, analista financeiro, à beira de um ataque de nervos. O Ministro das Finanças começou por anunciar que iria cumprir ou melhorar o número do défice previsto no Orçamento de Estado, o Ministro das Obras públicas adiou a construção do TGV para o Estado não absorver todo o crédito bancário do país, a venda da nossa divida no exterior foi anunciada pela comunicação social da seguinte forma - “juros recorde na venda da dívida portuguesa”, “baixam os juros na venda da divida portuguesa”, “FMI prepara-se para entrar Portugal” e “FMI nega intervenção na economia português”.

Mas infelizmente este frenesim mediático não terminou. No final da semana, o Ministro das Finanças, contrariando totalmente o que tinha dito antes, referiu não saber se a receita será suficiente para cobrir o défice e irresponsavelmente, alguns jornais anunciaram que o 14 mês de salário provavelmente não seria pago, penalizando, assim, o consumo interno das famílias e assustando os restantes agentes económicos na sua vontade de investimento.

Como tudo isso já não fosse suficiente mau, a recente troca agressiva de declarações de dirigentes do PS e do PSD, como se estivessem numa brincadeira de crianças, põem em risco a aprovação do Orçamento de Estado de 2011 e a continuação do actual Governo em funções.

Ora a confiança na informação que nos é disponibilizada é fundamental para qualquer cidadão ou empresa poder planificar todas as suas acções. Sem sabermos que impostos vamos pagar, que serviços do Estado existirão para nos servir, qual o nível de acesso ao crédito bancário ou até que investimentos o Governo irá realizar no próximo ano, nenhum empresário terá confiança para investir na nossa terra.

Se existiu, na história recente de Portugal, momento em que o bom-senso e o sentido de bem comum foram convocados com mais intensidade, é este mesmo o que vivemos. Caso os políticos portugueses não cumpram estes princípios básicos, Portugal corre o sério risco de ter de reescrever a sua história. A negro!

 

Mais Artigos

Francisco Coelho Acordos



Lara Martinho OS DEBATES E AS REIVINDICAÇÕES AÇORIANAS



Sónia Nicolau Normalidade com o porto das Flores destruído?



José Contente Demo ou dema?



Mário Tomé Plano para 2020 reflete confiança que vive a Economia do Pico



Emanuel Furtado Política e afins – O abastecimento às Flores



Francisco Coelho Povo…



Lara Martinho Novo ano, novo Orçamento



> >>

Arquivo Histórico do PS/Açores
PSA TV - Canal YouTube Ps/Açores

 
HomeNotícias | Media Center | Agenda | OpiniãoPartido | Presidente | Grupo Parlamentar ALRAA | Deputados AR | Deputados PE | Documentos | Links | Contactos
 
Sede Regional - Bairro da Vitória - Rua Dr. Armando Narciso, nº 5 – S. José - 9500-185 Ponta Delgada
Partido Socialista Açores © Todos os Direitos Reservados