Página Principal Presidente Presidente Honorário Partido Media Center Contatos Siga-nos!
 

Notícias PS/Açores

Presidente do Governo inaugura residência para doentes deslocados na ilha Terceira que é exemplo de coesão social


Turismo na Terceira tem desafios, mas tendência dos últimos anos é de fortalecimento do setor, afirma Vasco Cordeiro


Vasco Cordeiro destaca impacto que apoios à habitação têm na vida dos beneficiários


Vasco Cordeiro visita obra do Terminal de Cargas que vai fortalecer capacidade exportadora da Terceira e dos Açores


Artigos de Opinião

Hernâni Bettencourt Hernâni Bettencourt
"Desnorte total"
2019-10-19
Tiago Branco Tiago Branco
"A Força do Lorenzo contra a força da solidariedade"
2019-10-18
Fátima Ferreira Fátima Ferreira
"A ATUALIDADE E AS SUAS EXIGÊNCIAS"
2019-10-19
Francisco Coelho Francisco Coelho
"Nós, cidadãos..."
2019-10-19
José Contente José Contente
"Estabilidade"
2019-10-16
Francisco Coelho Francisco Coelho
"Rescaldo"
2019-10-12
José Miguel Toste José Miguel Toste
"Dire(i)to à política: Auspícios, factos e alguma animação"
2019-10-12
ESTÁ AQUI:Media Center»Opinião
Hernâni Bettencourt

Opinião

"Desnorte total"

Hernâni Bettencourt
2019-10-19

 

Alexandre Gaudêncio foi eleito Presidente do PSD/Açores no dia 29 de setembro de 2018. 1716 militantes, correspondendo a 60,9% dos votos, depositaram nele a sua esperança de ver o partido voltar a ser o inquilino do Palácio de Santana. A missão, convenhamos, era difícil. Inverter uma tendência de perda que se manifesta, consecutiva e quase sempre crescentemente, desde 1996 não seria “pera doce”. Gaudêncio, de sorriso rasgado, anunciava pouco depois de conhecidos os resultados da disputa interna que vinha aí “um novo rumo”; “um tempo de mobilização para o partido de cidadãos com provas dadas”; “um tempo de união”; “um partido a uma só voz para combater o PS”; “com o objetivo de devolver a mística de vitórias” e, por fim, lá surgiu o que os companheiros queriam ouvir: “o PSD será Governo na Região Autónoma dos Açores já nas próximas regionais de 2020”. A fasquia estava colocada no máximo. O risco de o “saltador” passar por baixo da mesma era grande. Risco esse que, rapidamente, passou a certeza. A desejada (?) união interna nunca passou de uma miragem, uma vez que Gaudêncio entrou num jogo de sombras com Pedro Nascimento Cabral, José Manuel Bolieiro e Sofia Ribeiro. A equipa escolhida para integrar o executivo do partido nem chegou a ter estado de graça. As críticas internas, algumas em surdina e outras em público, não se fizeram esperar. As Europeias foram aquela tragédia que todos conhecemos, com a agravante de ter arrastado o Presidente Mota Amaral para um filme com um guião previamente estabelecido pelo líder nacional. O processo das legislativas nacionais também dava outro filme, cuja classificação não é muito recomendável. No meio de tudo isto, ainda houve a constituição de Gaudêncio como arguido; reuniões intermináveis dos órgãos e estruturas do partido; demissão de dirigentes; deserção de militantes; críticas internas contundentes e vários pedidos de clarificação interna, sendo obviamente o de Nascimento Cabral, cuja presença tem sido quase diária na comunicação social, o que mais eco e maior mossa fez em Gaudêncio. O cenário, convenhamos mais uma vez, era de uma complexidade extrema. Gaudêncio, julgávamos nós, iria aproveitar a noite eleitoral de 6 de outubro último para, à boleia do resultado mínimo alcançado (30% e 2 mandatos), demonstrar que ainda estava no controlo do jogo. Surpreendentemente, ou talvez não, Gaudêncio não deu o passo para a pretendida clarificação. Optou por não querer ver a realidade e, assim, perdeu o controlo da bola. Uns dias depois, desorientado ao perceber que a bola já estava longe demais, decide dar um sinal de vida e declarar apoio a Luís Montenegro. Foi o seu último ato político antes do que já se ouvia por aí. A demissão estava iminente. Concretizou-se no passado dia 15. Dois anos após ter chegado a líder regional do PSD. Dois anos de ausência de ideias, contributos e políticas alternativas. Dois anos pejados de ataques pessoais, incoerências e impreparação. Dois anos perdidos. Dois anos que dão razão ao histórico Presidente do PSD (Francisco Sá Carneiro) quando afirmou que “Em política, o que parece é.” Infelizmente, para os Açores. Aguardamos agora pelo mais (im)previsível dos cenários: a recandidatura de Gaudêncio!







 

Mais Artigos

Hernâni Bettencourt Desnorte total



Tiago Branco A Força do Lorenzo contra a força da solidariedade



Fátima Ferreira A ATUALIDADE E AS SUAS EXIGÊNCIAS



Francisco Coelho Nós, cidadãos...



José Contente Estabilidade



Francisco Coelho Rescaldo



José Miguel Toste Dire(i)to à política: Auspícios, factos e alguma animação



Hernâni Bettencourt Os eleitores gostam mesmo da “geringonça”?



> >>

Arquivo Histórico do PS/Açores
PSA TV - Canal YouTube Ps/Açores

 
HomeNotícias | Media Center | Agenda | OpiniãoPartido | Presidente | Grupo Parlamentar ALRAA | Deputados AR | Deputados PE | Documentos | Links | Contactos
 
Sede Regional - Bairro da Vitória - Rua Dr. Armando Narciso, nº 5 – S. José - 9500-185 Ponta Delgada
Partido Socialista Açores © Todos os Direitos Reservados