Página Principal Presidente Presidente Honorário Partido Media Center Contatos Siga-nos!
 

Notícias PS/Açores

“O PSD teve urgência em discutir o passado, mas não teve paciência para esperar pelo debate sobre o futuro”


Saldo orçamental dos Açores em 2016 é melhor do que o melhor do país em 42 anos


Estratégia cria condições para os Açores vencerem o desafio do combate à pobreza, afirma Vasco Cordeiro


Vasco Cordeiro transmite a Jean-Claude Juncker importância para os Açores de uma Política de Coesão forte


Artigos de Opinião

Sónia Nicolau Sónia Nicolau
"Quando as palavras são para o ataque e não para o combate"
2017-12-14
Dionísio Faria e Maia Dionísio Faria e Maia
"O tom e o ruído"
2017-12-08
Sónia Nicolau Sónia Nicolau
"PS aprova sozinho o orçamento"
2017-12-06
Ricardo Serrão Santos Ricardo Serrão Santos
"PAC pós 2020 (r)evolução"
2017-12-04
Lara Martinho Lara Martinho
"2 Anos de Governo, 2 anos de Mudança"
2017-12-04
Dionísio Faria e Maia Dionísio Faria e Maia
"Saúde. O nosso Orçamento."
2017-12-01
José Contente José Contente
"Novo ciclo de projetos qualificantes de Ciência e Tecnologia"
2017-12-02
  Homepage Homepage Homepage Homepage

« NOTÍCIA ANTERIOR
Governo direciona verbas para reforçar capacidade es...

PRÓXIMA NOTÍCIA »
Apesar dos bons resultados “a postura do PS é de nun...

"Fazer sempre mais e melhor é sermos capazes de definir uma nova ambição", afirma Sérgio Ávila

PS Açores -

O Vice-Presidente do Governo afirmou hoje, na Horta, que, com o propósito de melhorar a vida dos Açorianos, “é sempre, e será sempre possível, fazer mais e melhor”, defendendo que isso significa nunca ficar “totalmente satisfeito com os resultados alcançados”, ainda que positivos, e ser capaz de definir, “claramente, uma nova ambição”.


“Fazer sempre mais e melhor é, com a satisfação e confiança que advêm de termos conseguido ultrapassar com sucesso uma crise que afetou as famílias e as empresas açorianas, sermos capazes de definir, claramente, uma nova ambição”, salientou Sérgio Ávila na intervenção que proferiu, na Assembleia Legislativa, na abertura do debate das propostas de Plano e Orçamento para 2018.


O titular da pasta das Finanças frisou que a ambição do Governo Regional é a de iniciar “um novo ciclo de desenvolvimento dos Açores”.


“Gerador de ainda mais emprego, de melhor emprego, de mais rendimento, de ainda maior crescimento da economia, de maior competitividade das nossas empresas, de maior coesão social e de maior sustentabilidade na nossa estrutura produtiva, num quadro permanente de estabilidade orçamental”, acrescentou.


A definição de um novo ciclo de desenvolvimento da Região é, segundo Sérgio Ávila, “um sinal de ambição, de determinação”, mas, essencialmente, uma exigência a que o Executivo se impõe “para respeitar e reforçar a confiança que os Açorianos depositam” no Governo Regional.


Para o Vice-Presidente, trata-se de uma “confiança que, naturalmente, também resulta do trabalho feito e dos resultados conseguidos”, designadamente através das medidas de combate ao desemprego e de incentivo à criação de emprego.


A este propósito, Sérgio Ávila afirmou que os dados recentemente revelados pelo INE – Instituto Nacional de Estatística, “destroem três mitos que alguns tentaram progressivamente criar para desmerecer a trajetória consistente de criação de emprego e redução do desemprego”.


O primeiro mito, referiu, pretende “que a redução do desemprego assentava em programas ocupacionais” quando, esclareceu, conforme o INE, “hoje existem nos Açores mais 13.358 Açorianos empregados do que em março de 2014, e, de acordo com o IEFP -Instituto de Emprego e Formação Profissional, hoje existem nos Açores apenas mais 320 Açorianos ocupados do que em março de 2014”.


“De acordo com esses dados, hoje existem mais 13.038 Açorianos empregados sem influência da variação dos programas ocupacionais, o que representa 98% do emprego criado”, salientou.


“Dito de outra forma, em cada 100 novos empregos criados, apenas dois foram criados no âmbito do incremento dos programas ocupacionais e 98 foram criados sem qualquer influência da variação dos programas ocupacionais”, frisou.


Quanto ao segundo mito, de que a redução do desemprego derivava da emigração, da redução da população e da desistência da procura de emprego, Sérgio Ávila sublinhou que, segundo o INE, “a população ativa – os Açorianos que estão no mercado de trabalho e procuram emprego -, é a mais elevada dos últimos 12 anos”.


“Hoje temos nos Açores mais 1.667 Açorianos ativos do que no início de 2014 e, mesmo assim, conseguimos ter mais 13.358 Açorianos empregados e menos 11.690 Açorianos desempregados”, ou seja, especificou Sérgio Ávila, “apesar do aumento da população ativa à procura de emprego no mercado trabalho, o desemprego desceu para menos de metade do que há três anos e meio”.


Sobre o terceiro mito, de que apenas o setor do turismo está a criar emprego, o Vice-Presidente destacou que o crescimento do emprego se verifica “em todos os setores de atividade económica no último ano, sendo que no setor primário o emprego cresceu 18,1% e no secundário 5,5%”, de acordo com a mesma fonte.


Sérgio Ávila frisou, por isso, que “a trajetória de criação de emprego e redução de desemprego não pode ser, de maneira nenhuma, justificada pela variação dos Açorianos ocupados, pela emigração, pela redução da população ativa ou pelo crescimento isolado de um setor de atividade económica”.


“Penso que ficam definitivamente anulados estes três mitos, que alguns tentaram promover para desmerecer o enorme esforço que todos os Açorianos fizeram para conseguirem obter estes resultados”, afirmou, lembrando que no 1.º trimestre de 2014 a recessão económica elevou para 18% a taxa de desemprego nos Açores.


“Este foi, sem dúvida, o maior desafio com que nos defrontamos e para o qual tomamos todas as medidas, no limite dos nossos recursos e no limite das nossas competências para o vencer”, assegurou o titular da pasta da Competitividade Empresarial e Emprego.


Atualmente, salientou Sérgio Ávila, há mais 13.358 Açorianos empregados do que há três anos e menos de metade dos desempregados que existiam, a taxa de desemprego é a mais baixa dos últimos seis anos e há nove anos que não existiam tantos Açorianos empregados.


O Vice-Presidente salientou ainda os indicadores e dados que comprovam a “retoma do crescimento económico e a criação de emprego”, após a implementação, a partir de 2013, da Agenda Açoriana para a Criação de Emprego e Competitividade Empresarial, com o objetivo de contrariar os efeitos da recessão.


Entre 2011 e 2013, a economia açoriana registou uma retração acentuada, em 2014 começou a inverter essa tendência, com um crescimento económico de 0,7%, que subiu para 1,7% em 2015.


Esta realidade, destacou Sérgio Ávila, “foi reforçada no último ano, tendo o crescimento aumentado para 2,1%, o que evidencia a sustentabilidade da retoma económica que os Açores empreenderam”.


Atualmente, afirmou o Vice-Presidente, todos os indicadores de produção, rendimento e consumo confirmam que, este ano, verifica-se uma nova aceleração do crescimento económico, com o Indicador de Atividade Económica a registar um novo crescimento - de 2,6% - em setembro.


Ao nível do crescimento do consumo privado, reflexo do aumento do rendimento disponível, o Índice Mensal de Vendas de Produtos Alimentares no Comércio a Retalho registou uma nova subida de 3,2% em outubro, os levantamentos em Multibanco de 3,5% nos primeiros 10 meses deste ano e a venda de automóveis novos 19% no último trimestre.


Quanto aos indicadores de produção, Sérgio Ávila destacou o aumento significativo do consumo de energia elétrica pela indústria, (+4,4% em outubro), o aumento dos proveitos do turismo, (+25% até setembro), e a retoma do setor da construção civil, com o consumo de cimento a aumentar (+32%) no terceiro trimestre deste ano.


“Mas, a aceleração do crescimento económico este ano é ainda mais acentuada pela retoma do setor primário, que, até ao ano passado, dava sinais de recessão” salientou o Vice-Presidente, referindo que, depois de vários anos em quebra, “a comercialização dos produtos lácteos no exterior da Região já cresceu 9,5% no último trimestre”.


Sérgio Ávila reafirmou, contudo, que “não há nenhum resultado” ou indicador positivo que “faça diminuir o ímpeto de fazer muito mais e melhor” por parte do Governo dos Açores, garantindo que o que até agora foi conseguido “constitui apenas uma motivação” para reforçar “o esforço no sentido de melhorar ainda mais todos os indicadores”. [GaCS]


2017-11-27 12:41:47, por PS/Açores

 
HomeNotícias | Media Center | Agenda | OpiniãoPartido | Presidente | Grupo Parlamentar ALRAA | Deputados AR | Deputados PE | Documentos | Links | Contactos
 
Sede Regional - Bairro da Vitória - Rua Dr. Armando Narciso, nº 5 – S. José - 9500-185 Ponta Delgada
Partido Socialista Açores © Todos os Direitos Reservados