Página Principal Presidente Presidente Honorário Partido Media Center Contatos Siga-nos!
 

Notícias PS/Açores

Sede de protagonismo do PSD/A “atropela” concertação social


José Bolieiro revela notória incapacidade em gerir a Câmara de Ponta Delgada


Vítor Fraga defende Conselho Municipal de Cultura em Ponta Delgada


João Castro destaca importância do mar na requalificação da produção nacional


Artigos de Opinião

Dionísio Faria e Maia Dionísio Faria e Maia
"Mortalidade e mortandade"
2017-05-26
Sónia Nicolau Sónia Nicolau
"Feira Lar, Campo e Mar"
2017-05-24
Lara Martinho Lara Martinho
"NOTÍCIAS DA REPÚBLICA"
2017-05-22
Dionísio Faria e Maia Dionísio Faria e Maia
"Assim não!"
2017-05-19
Lara Martinho Lara Martinho
"Notícias da República"
2017-05-18
José Ávila José Ávila
"Orgulho sem preconceito"
2017-05-18
José San-Bento José San-Bento
"Boato e Cobardia"
2017-05-16
ESTÁ AQUI:Media Center»Opinião
José San-Bento

Opinião

"Boato e Cobardia"

José San-Bento
2017-05-16

 

Os Imperadores romanos tinham uma característica pouco conhecida: eram adeptos de boatos e reconheciam nesse vil expediente uma arma poderosa para controlar a população ou destruir um adversário.
Todos os Imperadores nomeavam diversos Delatores. Estes funcionários romanos tinham duas missões. Uma era misturarem-se com o Povo e recolher informação que reportavam diretamente ao Imperador, por forma a este inteirar-se das preocupações e dos anseios populares. Outra era espalharem boatos entre o povo com finalidades políticas, ou para engrandecer a glória do Imperador, ou para assassinar o caráter de um adversário de forma cobarde e caluniosa.
O uso do boato e da intriga com finalidades políticas deve ser das profissões mais antigas do mundo, quase tão antiga como a outra.
Ao longo dos séculos não faltaram constantes reinterpretações dessa tradição. Os períodos de guerra, pelo secretismo que envolve, sempre foram propícios a boatos. O progresso civilizacional não destruiu essa prática.
Hoje os expedientes de disseminação são mais elaborados mas a lógica da narrativa é clássica e intemporal: o melhor dos boatos não pode ser uma mentira completa, deve ter pontos de contacto com a realidade. O visado deve ter sido visto no local ou nas proximidades do cenário principal da trama. As datas da ocorrência devem preceder por algumas semanas o início da difamação, para facilitar a validação da tramoia. As testemunhas e os factos devem ser cuidadosamente orquestrados para evitar o desmoronamento da historieta.
A exposição pública é uma circunstância sensível que para alguns faz parte do quotidiano. Pode-se ser conhecido por bons ou menos bons motivos. Uma coisa é certa, infelizmente o reconhecimento público decorrente da atividade política é dos mais suscetíveis de gerar animosidades. Os historiadores dizem que essa tradição portuguesa é muito antiga.
É pena que continuem a existir pessoas que prefiram recorrer ao boato e à cobardia para denegrir os seus adversários políticos, ou serão inimigos?

 

Mais Artigos

Dionísio Faria e Maia Mortalidade e mortandade



Sónia Nicolau Feira Lar, Campo e Mar



Lara Martinho NOTÍCIAS DA REPÚBLICA



Dionísio Faria e Maia Assim não!



Lara Martinho Notícias da República



José Ávila Orgulho sem preconceito



José San-Bento Boato e Cobardia



Vítor Fraga Dia da Europa



> >>

Arquivo Histórico do PS/Açores
PSA TV - Canal YouTube Ps/Açores

 
HomeNotícias | Media Center | Agenda | OpiniãoPartido | Presidente | Grupo Parlamentar ALRAA | Deputados AR | Deputados PE | Documentos | Links | Contactos
 
Sede Regional - Bairro da Vitória - Rua Dr. Armando Narciso, nº 5 – S. José - 9500-185 Ponta Delgada
Partido Socialista Açores © Todos os Direitos Reservados